Um vídeo divulgado nesta terça-feira (20), mostra um membro do grupo militante extremista do Estado Islâmico ameaçando matar dois reféns japoneses dentro de 72 horas, a não ser que o governo japonês pague um resgate de 200 milhões de dólares americanos (530 milhões de reais).

No vídeo aparece um homem vestido de preto com apenas os olhos e as mãos expostas, segurando uma faca e, aos pés dele, os dois homens ajoelhados com o clássico uniforme cor laranja.

Os dois homens foram identificados pelos militantes como Kenji Goto Jogo e Haruna Yukawa. Um dos reféns, Haruna Yukawa, já apareceu em outro vídeo em agosto, enquanto era interrogado com brutalidade pelos sequestradores. Kenji Goto é um jornalista freelance, de 48 anos, criador da empresa de produção japonesa, Independent Press, que realiza documentários no Oriente Médio.

O vídeo é semelhante a outras ameaças feitas pelo EI com outros reféns. O membro do EI falava com um forte sotaque britânico e sua voz parece ter sido alterada.

“Vocês têm orgulho de ter doado US$ 200 milhões para matar as nossas mulheres e as nossas crianças, para destruir as casas dos muçulmanos”, disse o militante, justificando o sequestro dos japoneses com o fato do Japão ter ajudado financeiramente a coalizão.

Parece ser a primeira vez que o #Estado Islâmico exigiu explicitamente um resgate de um governo em um vídeo. O valor é o equivalente ao montante de ajuda não militar prometida pelo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aos países que lutam contra os jihadistas do Estado Islâmico. No passado, o EI tinha pedido para os EUA e o Reino Unido para cessarem os ataques aéreos das forças multinacionais. O vídeo marca também uma nova virada contra o Japão, para o grupo militante.

Em uma conferência em Jerusalém, Abe (primeiro-ministro japonês) disse que a comunidade internacional deve “lidar com os terroristas, sem ceder”. O primeiro-ministro continuou dizendo que sentiu um “forte ressentimento” em relação às ameaças e se sentia “indignado”. Concluiu dizendo que o governo japonês já informou que jamais se renderá à vontade dos terroristas. #Terrorismo