Depois de mais de um mês da aproximação anunciada por Barack Obama e Raúl Castro, Fidel Castro quebrou o silêncio e disse que não confia nos Estados Unidos. O líder cubado está com 88 anos e por conta de problemas de saúde, seu irmão, Raúl Castro, é seu sucessor.

Fidel Castro se manifestou através de carta enviada à Federação Estudantil Universitária que foi lida na segunda feira na TV estatal cubada. O líder cubano apareceu em público pela última vez na inauguração de uma galeria de Alexis Leyva 'Kcho', artista cubano, no dia 8 de janeiro de 2014.

Fidel disse que não confia na política adotada pelos Estados Unidos e que não teve contato com eles, mas não rejeita a solução que foi dada entre os dois países.

Publicidade
Publicidade

Para ele, Raúl Castro, presidente de Cuba, agiu de acordo com seus poderes e prerrogativas que são conferidas pelo Partido Comunista de Cuba e pela Assembleia Nacional.

Depois de mais de meio século de conflitos, o líder cubano disse defender a amizade e cooperação com todos os países do mundo, mesmo aqueles que se colocam como adversários políticos e que é necessário que o resto do mundo também aja assim.

A carta contém um texto longo. Fidel faz referências à Grécia antiga e ainda citou a incursão militar cubana que aconteceu entre 1970 e 1980, na África. Como o líder cubano não tinha se manifestado sobre a aproximação de Cuba com Estados Unidos, a situação alimentou boatos de que ele teria morrido ou que estaria muito mal de saúde. No início do mês, Diego Maradona, ex-jogador argentino e amigo pessoal de Fidel, disse ter recebido uma carta dele, que, portanto continuava vivo.

Publicidade

Tanto o governo de Cuba quanto a Casa Branca ainda não se pronunciaram sobre a carta de Fidel Castro.

Um acordo diplomático para inglês ver?

A aproximação de Cuba e Estados Unidos foi anunciada por Raul Castro e Barack Obama no final do ano passado, mas o embargo comercial contra Cuba continua vigente. No Congresso, Obama disse que já pediu agilidade aos parlamentares para que o fim do embargo a Cuba seja aprovado.