O deputado federal Eduardo Bolsonaro, do PSC de São Paulo, filho do também deputado federal Jair Bolsonaro, do PP do Rio de Janeiro, causou polêmica entre apoiadores e pessoas contra a execução do brasileiro Marco Archer na Indonésia.

No vídeo, Eduardo Bolsonaro, primeiramente diz que é preciso respeitar a dor da família, pois, segundo ele, nenhuma mãe escolhe ter o filho traficante e ter este destino. Porém, o deputado também afirma que Marco Archer sabia que o tráfico de drogas naquele país condena com a pena de morte e complementa dizendo que não era necessário que este tipo de crime fosse feito para sobreviver, pois Marco era proveniente de família de classe média alta.

Publicidade
Publicidade

Diante de suas palavras no vídeo no Youtube, Eduardo Bolsonaro apoiou também a moção feita pelo deputado e pai Jair Bolsonaro, em 2006, ao pedido de clemência de Lula, presidente da época, repudiando o pedido. Segundo ele, seria uma injustiça poupar a vida deste traficante e condenar a de outro. Eduardo ainda comenta que somente esse ano já foram executados outros quatros estrangeiros, também por tráfico de drogas, entre eles holandeses e nigerianos.

Com esses argumentos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro diz ser uma incoerência se o presidente da Indonésia acatasse o pedido de clemência do Lula e acrescenta que se as leis do Brasil fossem respeitadas de maneira séria nós poderíamos ter menos problemas e menos inocentes mortos proveniente do tráfico de drogas.

Seguindo as ideologias do pai, Eduardo defende a redução da maioridade penal, agronegócio contra invasões MST, fim do auxílio-reclusão para presos, trabalho obrigatório para presos, planejamento familiar, valorização das forças armadas, contra o desarmamento e a favor do livre-comércio.

Publicidade

Eduardo se envolveu em uma polêmica no dia 25 de outubro de 2014, em manifestação pelo impeachment da atual presidenta do Brasil, Dilma Rousseff. O deputado foi o condutor do evento e esteve presente com uma pistola na cintura. Mesmo alegando o porte legal da arma, causou a fúria de militantes de esquerda.

Eduardo Nastes Bolsonaro, além de deputado federal pelo Estado de São Paulo eleito em 2014 com 82.224 votos, é policial federal e também advogado formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2008.