Foi executado na Indonésia, na madrugada desse domingo (18) (15h de sábado - horário de Brasília), o brasileiro Marco Archer Cardoso. Ele tinha 53 anos de idade e foi pego na Indonésia com 14 kg de cocaína. A droga estava escondida dentro dos tubos de um instrumento de voo. Marco era instrutor de asa-delta e tentou entrar no país carregando essa quantidade de drogas. Ele foi condenado em 2004 e foram várias as tentativas para evitar a pena de morte, mas não teve jeito, ele foi condenado e morto.

O caso chamou atenção mundial, porque o instrutor é o primeiro brasileiro a ser executado por um #Governo estrangeiro. O governo brasileiro tentou reverter a pena de morte, mas foi tudo em vão.

Publicidade
Publicidade

Archer pediu perdão ao país e disse que estava arrependido do que fez. Ele reconheceu que seu crime foi grave, queria o perdão do governo da Indonésia e voltar para seu país de origem. Mas de nada adiantou, ele foi executado na tarde de sábado.

A presidenta Dilma fez um apelo ao governo da Indonésia por telefone. Ela pediu que não executassem os dois brasileiros que estão presos em território internacional. Mas ela teve seu pedido negado. A anistia internacional também fez um apelo pelos brasileiros, mas não foram atendidos. Horas antes de morrer, o instrutor recebeu a visita de uma tia. Muito emocionado, disse que não merecia morrer daquele jeito. Ele disse que todo mundo tem direito a uma segunda chance.

Junto com o instrutor foram executadas mais cinco pessoas de outras nacionalidades.

Publicidade

Os prisioneiros podiam escolher se queriam morrer de pé ou sentados. Eles tiveram seus olhos vendados e foram executados por 12 homens do pelotão. Na lei do país, se algum prisioneiro depois do fuzilamento apresentar sinais de vida, recebe uma bala no meio da cabeça. Essa é a execução final.

Marco tinha esperança que algum milagre acontecesse, mas isso, não foi possível. O brasileiro foi executado. Na fila de execuções há muitos prisioneiros, que serão executados por tráfico de drogas. O governo disse que o país é resistente e não aceita esse tipo de coisa, que a lei é para ser cumprida. Na fila de execução está o brasileiro Rodrigo Gularte, que poderá ser executado no mês que vem. #Mídia