O movimento alemão Pegida (Patriotic Europeans Against the Islamization of the West - Europeus Patriotas contra a Islamização do Ocidente) sofreu dois golpes pesados ​​na quarta-feira (21). Estavam sem o seu líder, Lutz Bachmann, que teve que se demitir depois de aparecer em uma foto posando como Adolf Hitler, e além disso, o movimento não conseguiu reunir o número esperado de participantes para marcharem através de Leipzig, no leste do país.

Bachmann complicou-se após postar uma imagem no seu perfil do Facebook, em que aparecia com bigode, cabelo e postura característica do ditador nazista. Esse ato veio a derrubar o fundador do Pegida.

Publicidade
Publicidade

O movimento alcançou o maior fluxo de uma das suas marchas, em Dresden, 25.000 manifestantes.

A foto de Bachmann começou a circular nas redes sociais na terça-feira (20), e na quarta foi reportagem de capa de jornais, divulgação liderada pelo jornal Bild.

"Eu sinceramente peço desculpas", disse Bachmann pouco depois de anunciar sua renúncia do Pegida, na página no Facebook. Ele lamentou os comentários "imprudentes" que fez, e os danos que poderiam ser causados pela circulação das suas declarações.

O porta-voz do Pegida, Kathrin Oertel, disse que "a organização rejeita estes tipos de abordagens" e disse que as palavras usadas por Bachmann "não estão em seu vocabulário político". Oertel agradeceu a ele por seu trabalho para estabelecer as bases do Pegida e mobilizar milhares de simpatizantes.

Publicidade

A publicação da foto de Bachmann reforçou a crítica de formações parlamentares contra o Pegida e causou escândalo nas fileiras do movimento, que desde a sua criação, em outubro, tentou argumentar que não é de extrema-direita.

O que é Pegida?

O movimento foi fundado em Dresden, por Lutz Bachmann, em outubro de 2014. De direita alemã, ele atrai seguidores de todas as camadas sociais e alas políticas. 

Realizam protestos de rua contra o que se vê como um perigoso aumento da influência do Islã sobre países europeus. O grupo afirma não ser racista ou xenofóbico. O movimento se opõe ao extremismo e apela para a proteção da cultura judaico-cristã da Alemanha. #Europa