O fuzilamento das pessoas ocorrido no sábado (17), na Indonésia, inclusive o do brasileiro Marco Cardoso Moreira. Trouxe, um assunto muito importante que virou debate no mundo inteiro, a pena de morte. Muitos países não concordam com essa lei e estão buscando soluções para acabar com a pena, principalmente por tráfico de drogas. As organizações internacionais não concordam e disseram que é um absurdo fuzilarem pessoas por tráfico de drogas.

Foram programadas pelo governo da Indonésia para o ano de 2015, vinte execuções das quais já foram seis. A execução do brasileiro Rodrigo Gularte poderá ser no mês de fevereiro. Ele ainda é jovem e está na fila da morte.

Publicidade
Publicidade

O rapaz foi pego transportando uma grande quantidade de cocaína. Todas estavam escondidas nos instrumentos de surf. Além de Rodrigo, há mas de cem pessoas no corredor da morte.

Depois do ocorrido houve várias manifestações das autoridades. A anistia internacional declarou que a pena de morte precisa ser interrompida urgentemente. As autoridades protestam contra ela e pedem que essa questão seja revista. Em muitos países a pena de morte foi proibida, porque é uma violação contra os direitos humanos. A presidenta Dilma ficou indignada após a morte do brasileiro. Ela fez um apelo por telefone para o presidente da Indonésia, mas não foi atendida.

O presidente da Indonésia disse que entende a revolta das pessoas de cada país que teve seu cidadão executado. Mas espera que elas entendam que as leis da Indonésia são cumpridas.

Publicidade

Ele disse, também que cada país deve respeitar sua lei, e que não há clemência para os traficantes. As punições continuarão durante o ano e as execuções serão realizadas. Governantes de outros países não aceitam essa nova administração.

Rodrigo Gularte tem 42 anos e foi condenado em 2004, por tráfico de drogas. Ele está há mais dez anos no corredor da morte e poderá ser executado no mês que vem. Quando foi pego transportando cocaína, estava na companhia de dois amigos. Mas ele assumiu a culpa sozinho perante às autoridades da Indonésia. A mãe do brasileiro sofre de problemas mentais e seu laudo médico será entregue as autoridades da Indonésia. A família tem esperança de que Rodrigo não seja executado.