A #Igreja Católica da Bélgica poderá ter em breve, no hall dos santos, mais um dos seus ilustres filhos, o já reconhecido servo de Deus Júlio Maria De Lombaerde, o Padre Júlio Maria.

A abertura do processo acontece no dia 24 de Janeiro, com cerimônia presidida pelo Bispo Diocesano de Caratinga, Dom Emanuel Messias de Oliveira. No domingo (25), será celebrada uma missa de ação de graças na Igreja Matriz de Manhumirim (MG), município onde o padre passou os últimos anos de sua vida.

Nascido na aldeia de Beveren, município de Waregem no dia 7 de Janeiro de 1878, seu pai descendia de família militar emigrante de Lombardia.

Publicidade
Publicidade

A mãe era flamenga, descendente de holandeses. Seu nome de batismo era Júlio Emílio.

Com forte influência católica desde a infância, estudou em escola dirigida por religiosos. Aos 15 anos foi estudar no Instituto São José em Torhout. Um ano depois partiu para Boxtel, na Holanda, a fim de iniciar sua vida missionária. Em seguida foi para África. Já consagrado missionário, passou por vários lugares no continente africano, adotando o nome de Optato Maria. Tornou-se sacerdote em Grave, Holanda, na "Obra das Vocações Tardias" do Pe. João Berthier, missionário francês fundador da congregação. Entre os 12 ordenados naquele ano de 1908, estava o Pe. Júlio De Lombaerde.

Exímio escritor, meses depois da morte do Pe. João Berthier já estava pronta a biografia do fundador de sua congregação. Isso por si só já revelava uma peculiaridade no que se tornaria o maior benfeitor da cidade de Manhumirim, local onde fundou uma gráfica e editora para impressão de centenas de livros que publicou sobre temas religiosos e do jornal "O Lutador" que circula, ininterruptamente, há quase 90 anos.

Publicidade

Antes de pisar em território mineiro, o padre esteve em missão no estado do Amapá, para onde se dirigiu quando desembarcou no Brasil em 1912 para missão na Amazônia. Em Macapá (AP), fundou o primeiro cinema que se tem registro. Lá, ele rodava filmes com temas bíblicos com intuito de evangelizar a população.

Fundou três congregações religiosas: Filhas do Coração Imaculado de Maria, Missionários de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento e Irmãs Sacramentinas de Nossa Senhora. Por meio das congregações, sua fama se espalhou pelo Brasil afora.

Para o Vaticano, a comprovação de um milagre é a condição necessária para alçá-lo ao posto máximo da igreja. Alguns relatos de graças e milagres alcançados sob sua intercessão já foram registrados. Já para o município de Manhumirim, o legado do padre missionário é notório quando se trata de uma infraestrutura básica e essencial para o funcionamento de um município.

O Hospital que hoje leva seu nome, a Escola Santa Terezinha, o Asilo São Vicente e o Patronato Santa Maria foram apenas algumas de suas iniciativas.

Publicidade

O término da primeira igreja da América Latina construída totalmente em concreto armado, o imponente conjunto arquitetônico do Seminário Sacramentino e do Colégio Santa Terezinha, a criação de uma indústria gráfica, uma editora e o jornal "O Lutador", com circulação nacional, demonstram o avanço e o dinamismo de uma pessoa que buscou acelerar o progresso ao seu modo, diante dos desafios econômicos e políticos da época. Uma tarefa quase impossível diante da escassez de recursos e do choque cultural devido a suas idéias inovadoras e transformadoras.

A imagem do padre idealizador e realizador se resume na figura de um homem de convicções fortes, enérgico, determinado e focado no cumprimento de sua missão. Um exemplo de quem exerceu com maestria o papel de cidadão e político, não se limitando à sua designação de autoridade religiosa.

Em Manhumirim, permaneceu por cerca de 16 anos, até a sua morte em 24 de dezembro de 1944 em um grave acidente próximo a Alto Jequitibá (MG). #Curiosidades #Religião