Dois conflitos armados em diferentes países foram alvo da atenção do chefe da Igreja Católica, Papa Francisco, na sua alocução na Praça São Pedro, no Vaticano, neste domingo (25). Milhares de peregrinos de inúmeros países se encontravam presentes neste momento tradicional e importante para os cristãos de todo o mundo.

O Papa referiu-se diretamente ao conflito que ocorre na Ucrânia, país europeu que se desmembrou da antiga União Soviética. Também dirigiu suas palavras e apelos para o fim da beligerância na África, pois na República Centro-Africana, comunidades católicas têm sido constantemente atacadas.

O sumo pontífice disse, depois de ter proferido a oração Regina Coeli: "Com ânimo entristecido, rezo pelas vítimas das tensões que ainda continuam em algumas regiões da Ucrânia e da República Centro Africana.

Publicidade
Publicidade

Renovo o meu premente apelo a todas as partes implicadas, para que sejam superadas as incompreensões e se procure, com paciência, o diálogo e a pacificação".

Esta não foi a primeira vez que Francisco voltou sua atenção para acontecimentos semelhantes em várias regiões do mundo. Ele tem feito uma intensa pregação em favor da paz e do entendimento entre povos e nações, evitando assim a morte de pessoas que vem se repetindo constantemente. A situação na Ucrânia e na República Centro Africana preocupa muitos países e lideranças mundiais. Estas palavras proferidas pelo Papa na sua alocução desde o Vaticano certamente somam-se e aumentam a repercussão mundial em torno do assunto.

República Centro Africana

Na sexta-feira (23), pelo menos três vítimas fatais foram registradas em conflitos ocorridos em Bangui, capital da República Centro Africana.

Publicidade

Há alguns dias, a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, foi atacada por grupos rebeldes islâmicos. Neste triste e lamentável episódio, 17 pessoas foram mortas e outras 27 foram seqüestradas pelos rebeldes. Este país, considerado bastante pobre e cuja maioria da população é cristã, sofre constantemente com escaramuças onde grupos cristãos rebeles (na sua maioria muçulmanos) se enfrentam com extrema violência.

Ucrânia

O conflito separatista desencadeado na região de Donetsk já tomou contornos de uma guerra civil. A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa alertou sobre a perda de contato com uma equipe de observadores. Desta mesma equipe, quatro membros estão presos nas mãos de rebeldes separatistas.