Contrariando especulações de que faria uma edição mais sentimental e focada em homenagens, a publicação satírica “Charlie Hebdo” decidiu estampar mais uma vez a sua capa com uma representação do profeta Maomé. A capa será a primeira após o ataque acontecido na redação do jornal no último dia 7, em Paris, deixando 12 mortos entre a equipe.

Seguindo sua tradicional linha de humor irreverente, a capa da nova edição trará o profeta segurando um cartaz que diz: “Je suis Charlie” [Eu sou Charlie]. A frase virou um símbolo no mundo inteiro de repúdio ao atentado e a favor da liberdade de expressão e livre imprensa. No topo da figura, é possível ler: “Tout est pardonné”, que em francês significa: “Tudo está perdoado”. Quem assina a charge é o cartunista Luz, que sobreviveu por não ter comparecido à reunião de pauta depois de se acordar atrasado.

A tiragem será diferente. Ao contrário dos habituais 60 mil exemplares, serão 3 milhões a chegar nas bancas, e em 16 línguas diferentes. Esse esforço, a partir de parcerias importantes, busca passar a mensagem de que a publicação resistirá. O novo exemplar do jornal “Charlie Hebdo” estará disponível para o público na próxima quarta, exatamente uma semana após a tragédia. #Terrorismo #Europa