Na tentativa de conseguir uma vaga para integrar a equipe que vai para Marte numa #Viagem só de ida, Sandra passou por um demorado processo de seleção e foi classificada entre os 100 finalistas. Sandra Feliciano é professora no estado de Rondônia. Ela foi a única brasileira a se classificar no tão ousado projeto e se sente muito feliz e realizada por estar entre as 100 pessoas que foram pré-selecionadas no mundo inteiro e, com sorte, poderá fazer parte de uma experiência jamais imaginada.

Mas que razão teria uma mulher de 51 anos para fazer uma viagem sem volta, que vai levá-la rumo ao desconhecido "Planeta Vermelho"? O grupo tem uma missão bem complicada: formar a primeira colônia de seres humanos em Marte.

Publicidade
Publicidade

O Planeta Vermelho fica a uma distância de 225 milhões de quilômetros da Terra e a viagem está marcada para 2025. O grupo escolhido deverá embarcar numa viagem só de ida.

A professora Sandra Feliciano tinha dúvidas. Ao mesmo tempo que se sentia atraída por aquela aventura, também sentia medo, afinal foram mais de 200 mil pessoas que se candidataram e somente 24 serão escolhidos. Ela conta que ficou um bom tempo pensando, e às vezes acordava à noite agoniada, até que um dia foi lá e se inscreveu. Foram dias de ansiedade e uma espera sem fim até descobrir que havia sido uma das pré-classificadas e a única brasileira que poderá integrar a equipe que vai colonizar Marte.

A família não ficou muito feliz com a decisão de Sandra, "Uma viagem que não sabe se vai chegar e, se chegar, sabe que não tem volta, é meio esquisito", conta seu Anísio Feliciano da Silva, pai de Sandra.

Publicidade

A amiga, Val Ramos, complementa: "É bem coisa da Sandra mesmo ir pra Marte".

O fabuloso projeto que tem a missão de transportar seres humanos para Marte recebeu o nome de Mars One e também será um reality show (Big Brother Espacial). "Isso pode se tornar realidade, vai ser o maior evento de mídia da história", diz Gerard Hooft, ganhador do Nobel de física de 1989.

O projeto custará em torno de US$ 6 bilhões e vem de um fundo criado por várias empresas. Seu criador, Bas Lansdorf, afirma que o projeto tem chance de dar certo. "Humanos chegarão à Marte, esse vai ser o próximo grande passo da humanidade".