O jovem morto pela polícia dinamarquesa neste domingo (15), era dinamarquês e tinha 22 anos. Ele era considerado o principal suspeito pelos ataques a tiros a um café e a uma sinagoga em Copenhague, no sábado (14), causando a morte de duas pessoas. A polícia dinamarquesa não vê relação do ataque a uma possível ligação com grupos terroristas, embora acredite que o atirador possa ter se inspirado, de alguma forma, no ataque ao jornal francês "Charlie Hebdo", em 7 de janeiro, quando 12 pessoas foram mortas, chocando o mundo e trazendo à tona o avanço do #Terrorismo, e mais: levantando a questão da liberdade de imprensa e seus limites.

O nome do autor dos tiros não foi divulgado pela polícia. A ficha criminal do mesmo inclui relações com gangues e utilização de armas, além de #Violência em geral. A polícia dinamarquesa afirma ter certeza absoluta de que o jovem foi mesmo o autor dos disparos ao Café Krudttønden e à sinagoga, localizada no centro de Copenhague. O caso dos ataques na Dinamarca vinha sendo tratado como tentativa terrorista, uma forma de repetir o ataque ocorrido em Paris com o jornal "Charlie Hebdo", mas, segundo o jornal dinamarquês "Politiken", não há qualquer evidência de que os ataques tenham sido planejados e executados por grupos terroristas.


O autor dos disparos ao café e à sinagoga estava sendo monitorado há tempos pela polícia e não consta - afirmam as autoridades - nenhuma informação de visitas ou contatos do jovem morto com grupos de países em conflito com Iraque ou Síria. Segundo o comunicado da polícia, ao ser morto o jovem portava duas armas automáticas e trajava roupas semelhantes as do homem responsável pelos ataques ao café e a sinagoga. A primeira-ministra da Dinamarca, Helle Thorning-Schmidt, declarou que não há certezas, neste momento, do que teria motivado verdadeiramente o ataque, mas que é de extrema importância, e prioridade máxima, a averiguação dos fatos e reais intenções do ataque, que deixou dois mortos.

A primeira-ministra concluiu, afirmando que forças ligadas ao terrorismo pretendem atingir a Dinamarca, ferindo principalmente a sua liberdade de expressão, e que as mesmas serão fortemente combatidas.