Haverá limite, ou trégua, para os grupos fundamentalistas? O avanço dos atos terroristas em todas as partes do mundo continua ameaçando a humanidade: um vídeo de um grupo que apoia a facção jihadista foi publicado numa rede social, mostrando a decapitação de 21 cristãos coptas egípcios, sequestrados na Líbia, afirma a Agência Reuters.


Coptas são cristãos que não estão ligados à Igreja Católica de Roma, nem à Ortodoxa, na Turquia. É uma igreja cristã egípcia. Copta significa egípcio.


A autenticidade do vídeo ainda não foi confirmada e nele aparecem os 21 cristãos, vestidos nos já conhecidos macacões laranjas, ajoelhados e sendo decapitados.
Aliás, qual o motivo do traje laranja, presente em todos os reféns do EI? A resposta é simples: a cor é a mesma que os Estados Unidos da América utilizam em seus prisioneiros em Guantánamo, na Baía de mesmo nome, em Cuba, para onde foram levados prisioneiros de várias nacionalidades, inclusive iraquianos e iranianos.


A gravação, divulgada na rede social twitter, tem o título de "Uma mensagem de sangue para a nação da Cruz", numa clara referência ao Cristianismo.


O EI ainda frisou que a gravação é um aviso, e dirigida aos seguidores da "cruel e infame" igreja cristã egípcia, informou a Agência France Press.


A imprensa egípcia informou que fotos dos reféns estavam circulando na internet, através da Revista Dabiq, na sua 7º edição. A Dabiq é uma revista ligada ao Estado Islâmico e, supostamente, através de seu alcance os reféns foram reconhecidos por amigos e familiares.


Conselho de Defesa

Após o anúncio do vídeo da decapitação dos 21 reféns cristãos, o presidente egípcio Abdel Fatah al-Sisi convocou em caráter de urgência o Conselho de Defesa, do qual fazem parte o chefe de Estado, ministros da Defesa, o primeiro ministro e os ministros do interior, além de representantes das mais altas patentes das Forças Armadas.


As forças militares egípcias são acusadas pelas milícias islamitas, na Líbia, de terem bombardeado suas bases, o que as autoridades do Cairo negam, veementemente.
#Terrorismo