O Missionário David Miranda faleceu no último sábado, dia 21 de fevereiro, às 23:45, após sofrer um infarto. O fundador da #Igreja Pentecostal Deus é Amor foi velado no Templo da Glória de Deus, localizado na Baixado do Glicério, próximo ao Parque Dom Pedro em São Paulo.

O velório começou às 8 horas da manhã do domingo, dia 22 de fevereiro, e se encerrou na manhã de terça feira, 24 de fevereiro. Durante pouco mais de 48 horas de culto fúnebre, passaram milhares de pessoas pela Sede Mundial da IPDA, sendo muitos deles estrangeiros e frequentadores de outras denominações protestantes.

O Templo da Glória de Deus tem capacidade para receber 60 mil pessoas e permaneceu lotado durante esses dois dias.

Publicidade
Publicidade

Os pastores, obreiros (as), diáconos e presbíteros da igreja tiveram de se mobilizar de diferentes regiões do estado e do país para ajudar conter a multidão que fazia filas quilométricas em frente ao Templo.

Muitas pessoas chegaram a ficar até três horas na fila para conseguir entrar e dar o último adeus ao Missionário mais conhecido do Brasil. Ocorreram condolências por parte de diversos representantes de outras denominações protestantes, como líderes de variados ministérios da Assembleia de Deus, como o pastor e deputado Marco Feliciano.

O corpo de David foi sepultado na tarde de terça feira, em um cemitério da zona norte de São Paulo. O Corpo de Bombeiros de São Paulo transportou o corpo até o cemitério. Essa foi uma homenagem póstuma comumente prestada à personalidades políticas, religiosas e artísticas.

Publicidade

O caminhão foi seguido por uma singela carreata. O caminhão do BCB usado trata-se de um veículo que não estava em uso diário, não prejudicando os chamados diários do batalhão.

Por motivos óbvios, a administração do cemitério não permitiu que a multidão entrasse para acompanhar o enterro do Missionário, situação que foi avisada com antecedência pelas rádios da igreja desde o início do Culto Fúnebre.

A família permaneceu a maior parte do tempo no local. David Martins Miranda deixa a esposa Irani Miranda, quatro filhos e alguns netos. Sua filha Débora é uma das diretoras da igreja. Mesmo com a dor da perda de um ente querido, a família se conforta pela certeza da salvação de David e isso os fortalece para continuar os trabalhos da igreja, tanto com a pregação do evangelho em 136 países, como com os projetos sociais, dentre eles a Fundação Reviver e o asilo da igreja.