Foi divulgado no domingo (15), um vídeo mostrando cristãos coptas egípcios sendo decapitados pelo Estado Islâmico. Durante as filmagens, os reféns aparecem vestindo macacões na cor laranja. Antes de serem decapitados, todos foram obrigados a se ajoelharem no chão. O vídeo mostra a localização do massacre, em Wilayat Tarabulus, no Mar Mediterrâneo, segundo informação mostrada na legenda do vídeo.

Nas filmagens, aparecem 21 cristãos coptas egípcios sendo decapitados e esta é a primeira vez que o Estado Islâmico faz esse tipo de filmagem, mostrando uma matança fora dos limites da Síria ou do Iraque.

Durante a decapitação, o carrasco executante da matança declarou estar ao sul de Roma, na Líbia, na terra do islã.

Publicidade
Publicidade

O vídeo foi postado no twitter do grupo Al-Hayat Media Center, um meio difusor do Estado Islâmico, que apoia os jihadistas. O título da filmagem é mostrado nos primeiros segundos como ‘Mensagem assinada com sangue para a nação da cruz’, contudo, a autenticidade do vídeo ainda não foi confirmada, sabe-se apenas que estes egípcios foram realmente sequestrados na Líbia. O título faz referência aos seguidores da igreja egípcia hostil, que são conhecidos como pessoas da cruz, perseguidas pelo Estado Islâmico.

Depois da divulgação do vídeo, o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi, convocou o Conselho Nacional de Defesa urgentemente neste domingo (15). Faz parte do Conselho Nacional de Defesa, os ministros da Defesa e do Interior, o Chefe de Estado, o Primeiro-Ministro, além de representantes que ocupam os mais altos cargos das Forças Armadas. 

A decapitação é uma resposta do Estado Islâmico a uma possível posição do Egito em enviar aviões para bombardear as milícias islamitas.

Publicidade

O governo do Cairo nega a procedência das acusações.

O Conselho de Segurança da ONU pede uma ação internacional para conter a violência do Estado Islâmico contra grupos de minoria religiosa. E afirma que nenhuma nação deve subestimar o grupo extremista, uma vez que ele é considerado tão ou mais perigoso do que o grupo terrorista Al-Qaeda. #Terrorismo