O espírito reinante entre a população do Iêmen parece ser de insegurança e temor, com o recrudescimento de ataques terroristas em várias partes do país árabe, mas mais acentuadamente em Sanaa, a capital do país.

O número total parece ser de 142 pessoas mortas nesta sexta-feira (20) em Sanaa. O terror tomou conta da população local, onde vários suicidas atacaram duas mesquitas xiitas, segundo fontes hospitalares citadas por agências de notícias. O alvo era certamente os rebeldes Huthi que desde o final de janeiro tomaram o poder e cujos seguidores são na sua maioria xiitas Zaydi. Seu ataque surpresa abriu mais uma crise política no país árabe, que vive um complicado e tenso momento de indefinições na sangrenta luta pelo poder.

Publicidade
Publicidade

Os ataques, com curtos intervalos entre si, ocorreram durante a oração do meio-dia desta sexta-feira.

O primeiro homem-bomba detonou seu cinto de explosivos no interior da Mesquita Badr no centro de Sanaa. Alguns minutos depois, um segundo homem-bomba ativou sua bomba, com os fiéis saindo aterrorizados. Ao mesmo tempo um outro indivíduo se explodia no Al Hashush, ao norte da cidade. Em Saada, no norte do país, a polícia conseguiu interceptar um ataque suicida que atingiu a mesquita de Imam Hadi.

Em Badr foi morto seu imã, Murtada para Mohadwari, considerado o líder espiritual da Huthi. Entre os 350 feridos em diferentes graus, que resultaram da agressão múltipla, está Khaled Al Madani, um proeminente líder desse grupo.

O embaixador e analista iemenita Mustapha Noman, referindo-se ao caos que tomou conta do seu país, afirmou para a imprensa que as pegadas são da Al Qaeda, Salientou que não ficaria surpreso ao saber que o Estado Islâmico está operando lá também.

Publicidade

As duas mesquitas atacadas sexta-feira em Sanaa eram lugares normais de participante de oração Ansarullah, mais conhecido pelo nome do clã que dirige grupo político armado, o Huthi. É um estilo de movimento do Hezbollah libanês que tem seu reduto nas províncias do norte do Iêmen, fronteira com a Arábia Saudita. #História #Terrorismo