Segundo informações de um jornal europeu, as forças de segurança afirmam que o piloto e comandante de voo do avião teria saído de sua cabine para ir ao banheiro. Quando se deu conta de que o avião estava em queda, ele retornou a cabine, porém, esta já se encontrava trancada. A partir daí, o piloto teria usado um machado na tentativa de arrombar a porta, mas não obteve sucesso.

A polícia investiga a casa e a vida do copiloto, que é considerado o responsável pela queda do avião. Muitos acreditam que tenha sido terrorismo, o que, por enquanto, não é confirmado pelos investigadores. Amigos e parentes negaram quaisquer envolvimento de Andreas, o copiloto, com facções terroristas.

Publicidade
Publicidade

A grande questão é o porquê de se ter um machado em um airbus e não um mecanismo alternativo para entrar na cabine do avião. A Germanwings, que é uma companhia da empresa 'Lufthansa', afirmou que o machado está nos aviões por questões de segurança.

Mais alarmante ainda fora a explicação do CEO da 'Lufthansa', Carsten Spohr. "Se o piloto saiu e o que ficou dentro está inconsciente, há um código que pode ser utilizado. Há um barulho dentro da cabine, e se ninguém abrir, a porta se abre eletronicamente. Mas a pessoa que está do lado de dentro pode impedir que a porta se abra", explicou o CEO.

As análises da caixa preta proporcionaram diversas descobertas e suposições, até mesmo, que ambos, piloto e copiloto, brincavam no início do voo, trocando boas conversas. Porém, quando o comandante deixou a cabine, Andreas, o copiloto, assumiu o controle e ativou o mecanismo de perda de altitude, que mesmo percebida pelas pessoas na aeronave, não pode ter sido contornada.

Publicidade



Em um mundo globalizado, onde existe a necessidade das pessoas de utilizar meios de transporte, como os aviões, esse incidente leva medo e tensão ao mundo, dando a incerteza sobre a total segurança dos voos. Depois de mais essa tragédia, medidas devem ser tomadas pelas empresas de aviação para que processos e mecanismos avancem e evitem que fatalidades como essas voltem a ocorrer. #Europa