Na última terça-feira, 24, a Airbus A320 da Germanwings colidiu com os Alpes Franceses quando fazia sua rota de viagem entre a Espanha e a Alemanha, matando todos os passageiros a bordo, ao todo 150 pessoas. Em uma das caixas-pretas foi obtida uma gravação de cerca de 30 minutos de áudio que oferece as pistas mais confiáveis até o momento sobre o que realmente aconteceu no avião.

A investigação

Os investigadores que escutaram o áudio dizem que o co-piloto Andreas Lubitz, 28 anos, parece ter derrubado o avião deliberadamente. O piloto teria saído para ir ao banheiro e pedido ao co-piloto que assumisse o comando do avião.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, Andreas teria trancado a porta e configurado o sistema de monitoramento de voo para colocar o avião em processo de descida.

O desespero

Neste momento, é possível ouvir o piloto pedindo a Andreas que abrisse a porta da cabine e também é percebido sons de batidas fortes na porta. Logo mais é ouvido o grito de desespero dos passageiros, que já haviam entendido a situação dentro do avião. De dentro da cabine, podia se escutar o som da respiração de Andreas até o último instante.

Em menos de 10 minutos o avião desceu em direção aos Alpes. O Airbus desceu cerca de 1200 metros por minuto. O último contato de radar foi às 9h40 GMT, a 1800 metros de altitude. O avião se chocou com as montanhas a 700 km/h.

Andreas Lubitz

O co-piloto Andreas Lubitz, do Airbus A320 da Germanwings, tinha 28 anos e era de nacionalidade alemã.

Publicidade

Ele não estava em nenhuma lista de terroristas. De acordo com a Germanwings, Lubitz tinha 630 horas de voo e havia começado a trabalhar na companhia em setembro de 2013, pouca experiência, se comparado ao piloto do avião que havia acumulado cerca de seis mil horas de voo.

Segundo o jornal alemão "Bild", Lubitz esteve seis meses sob tratamento psiquiátrico antes de completar sua formação. Também foi informado, nesta sexta-feira (27/03), que o co-piloto tinha recebido um atestado médico de dispensa por doença, vigente para o dia da catástrofe, porém, o mesmo não respeitou e ocultou da companhia. 

Polícia alemã

As descobertas feitas pela polícia alemã vieram à tona depois de policiais terem feitos buscas na noite de quinta-feira, no apartamento de Lubitz em Duesseldorf, e na casa em que o co-piloto morava com os pais em Montabaur, ao norte de Frankfurt. Vários itens foram retirados, incluindo caixas e um computador. "Encontramos algo que será submetido agora a testes. Não podemos dizer o que é no momento, mas pode ser um indício muito significativo para o que aconteceu", disse o porta-voz da polícia Marjus Niesczery. #Europa