Foi divulgado hoje(2), por meio de contas do Twitter, um vídeo em que aparecem integrantes da organização radical muçulmana #Estado Islâmico (EI) executando quatro pessoas, todos integrantes de uma tribo sunita, localizada na região de Tikrit. A execução aconteceu após acusação de que os integrantes da tribo em colaboraram com o governo do Iraque. O país hoje é palco de uma ofensiva guerra do exército iraquiano.

A cidade de Tikrit fica localizada ao norte de Bagdad, e desde junho de 2014 é controlada pelo grupo radical do Estado Islâmico. Soldados que estão presentes no país tentam recuperar a área.

Contas do Twitter de integrantes favoráveis ao EI foram os meios utilizados para divulgar o vídeo em que apareciam quatro homens sendo executados com tiros na nuca.

Publicidade
Publicidade

Os homens são identificados pelo executante como integrantes da tribo sunita, mesmo nome de uma vila que fica localizada ao norte de Tikrit.

No vídeo, um cartaz é exposto com os dizeres "Execução de uma célula Sahwa (anti-jihadista) de al-Alam". Logo após a exibição da frase, a execução foi realizada por um homem com o rosto coberto, que atirava na nuca dos quatro homens.

Treze integrantes da suposta tribo de sunita já tinham sido executados em dezembro de 2014. Contudo, grupos de combatentes das tribos estão tomando frente contra os radicais e passam a integrar o exército iraquiano para libertar Tikrit de grupos extremistas.

Voluntários xiitas, milícias e unidades de polícia estão se aliando para combater a organização radical que invadiu a cidade. Um anúncio foi feito no domingo (1) pelo primeiro-ministro iraquiano, Heider al-Abadi, e ele pediu que a população se revoltasse contra o Estado Islâmico e passasse a combater o grupo terrorista em Tikrit.

Publicidade

Heider afirmou que operações contra o Estado Islâmico têm motivos e que os habitantes de Tkrit precisam combater em conjunto a retirada da organização terrorista.

Vale destacar que o Estado Islâmico fez um apelo a todos os jihadistas do mundo para que todos os funcionários e o próprio co-fundador Jack Dorsey da rede microblogging Twitter fossem assassinados. A mensagem foi divulgada no domingo pelo próprio grupo terrorista, chocando todo o mundo. A ameaça foi uma resposta à empresa depois dela ter encerrado várias contas de usuários que eram associados ao grupo. #Terrorismo #Violência