O jornal "O Estado de São Paulo" noticiou que o setor de inteligência do governo encontrou indícios de que o #Estado Islâmico estaria tentando influenciar jovens brasileiros para entrar no grupo terrorista. Ainda segundo as informações, estes brasileiros atuariam como uma espécie de "lobo solitário", um termo que caracteriza pessoas que não estão em listas que identificam terroristas e assim, conseguem realizar atentados com maior facilidade em diversos locais.

O veículo de comunicação também comenta que o governo brasileiro está trocando informações com setores de inteligência. Os rumores dizem que o governo está preocupado com a situação, principalmente por causa das Olimpíadas, que acontecem no ano que vem, no Rio de Janeiro.

Segundo a pesquisa do Governo Federal, o Estado Islâmico tem interesse em conseguir novos militantes na América do Sul, pois conta com um "exército" razoável na Europa. A segurança brasileira teria encontrado aproximadamente 10 jovens convertidos através das redes sociais.

O governo brasileiro informou que na semana passada aconteceu uma reunião de segurança pública sobre o #Terrorismo. Mas, noticiou que a atuação do EI no país não foi discutida.

A Lista dos 100 Americanos

O Estado Islâmico publicou hoje uma lista com o nome de 100 militares norte-americanos que devem ser assassinados. Além de nomes, o documento conta com informações como endereços, fotos e até nível de escolaridade. As informações foram publicadas por um grupo que se identifica como Divisão de Hackers do Estado Islâmico.

Ainda segundo o grupo islâmico, os militares teriam participado da guerra contra o EI na Síria, Iraque e no Iêmen. O Departamento Americano de Defesa e o FBI informaram que estão investigando o caso. O governo norte-americano também relatou que as informações publicadas podem ser vistas pelo público e que nenhuma repartição norte-americana parece ter sido hackeada.

O jornal The New York Times publicou que alguns dos militares não participaram dos ataques aéreos contra o Estado Islâmico, como informou o suposto grupo de hackers dos terroristas. Mas, mesmo assim, os militares vão ganhar proteção do governo americano.