Nos Estados Unidos, uma menina de apenas 12 anos tentou se vingar da própria mãe por ter sido castigada. A mãe da criança proibiu que ela usa-se o iPhone. Irritada com o castigo, a menina planejou a morte da genitora por envenenamento.

O fato macabro aconteceu no estado do Colorado, na cidade de Denver. A polícia local apreendeu a menina na última sexta-feira (21). Depois de serem informados pela mãe sobre as tentativas de envenenamento, os policiais levaram a menina para uma unidade de detenção juvenil. Ela ficará no local até que as acusações sejam concretizadas.

Entenda o caso

De acordo com informações da polícia, no dia 2 de março, a menina cometeu a primeira tentativa de matar a mãe, depois de ser proibida de usar o iPhone.

Publicidade
Publicidade

Ela preparou o café da manhã e, demonstrando muito carinho, levou a bebida até a mãe. No entanto, esta percebeu o mau cheiro, assim que ingeriu a bebida, notando que tinha água sanitária no copo. Segundo o delegado do caso, Heidi Prentup, a mãe pensou que a filha não tinha lavado o copo direito, por isso, não desconfiou do mau cheiro na bebida. A genitora da menina foi tratada num hospital perto de sua residência e teve alta logo em seguida.

Ainda segundo os policias que investigam o caso, quatro dias depois da primeira tentativa, a menina tentou novamente envenenar a própria mãe por causa de um iPhone. A genitora da menina sempre mantinha uma garrafa d'água dentro do quarto, e a filha, sabendo disso, planejou outra vez a morte da mesma. A garotinha colocou água sanitária dentro da própria garrafa d'água da mãe, que estava no quarto.

Publicidade

Porém, desta vez, a genitora notou o cheiro e percebeu que sua própria filha estava tentando matá-la.

Os nomes da mãe e da filha não foram veiculados, mas a menina segue sob custódia dos policiais do estado do Colorado, onde estão levantando provas suficientes contra a garota para ser levada a julgamento. Nos Estados Unidos, uma criança de 12 anos pode ser julgada como se fosse uma adulta e receber a mesma pena. #Violência