Um produto que deve revolucionar o mercado de bebidas alcoólicas teve sua comercialização aprovada nos Estados Unidos pela agência reguladora de venda de álcool e tabaco nesta semana. O Palcohol é uma espécie de álcool em pó que basta ser misturado com água para se transformar em vodka, rum, ou três sabores de coquetéis, Cosmopolitan, Marguerita e Mojito.

O produto já havia recebido a autorização no ano passado, porém, a agência voltou atrás indicando alguns erros na fórmula. Segundo um porta voz da agência, o conteúdo do frasco não condizia com o que era descrito no rótulo. Agora, as falhas foram supridas e o produto, enfim, ganhou sua autorização.

Publicidade
Publicidade

O órgão regulador informa que cada estado americano tem autonomia para decidir sobre a venda de bebidas alcoólicas em suas fronteiras. Seis estados já baniram a venda do novo produto e quatro estudam tomar a mesma medida. O principal argumento dos meios contrários à comercialização do produto é que os usuários poderão cheirar a substância, causando danos ao organismo piores do que a ingestão de álcool.

Em resposta ao questionamento de usuários sobre o uso nasal, a empresa se posicionou afirmando que: não é uma forma responsável ou inteligente para usar o produto. Os inventores do Palcohol ainda dizem que não há garantias de que a substância será utilizada de forma diferente do álcool líquido, argumentando, ainda, que a proibição poderá criar uma espécie de mercado negro.

Proibição

Sobre o posicionamento de diversos estados que põem em dúvida a comercialização do produto, o site oficial da empresa divulgou: "Muitos estados estão se movendo para banir o álcool em pó.

Publicidade

Por quê? Porque a indústria de bebidas é contra ele e querem esmagar a concorrência e proteger a sua quota de mercado. As empresas de bebidas têm muito dinheiro para fazer lobby para o que eles querem e nós não somos páreo para os seus bolsos profundos. Mas deve ser autorizado quem tem muito dinheiro fazer as leis?"

Em nota no mesmo site, a empresa afirma que "todas as preocupações que temos ouvido são especulações infundadas". Também alegam que as agências federais que tem jurisdição sobre o álcool aprovaram o produto, então, não existe motivo para dúvidas, finalizando que é "irresponsável aprovar leis baseadas em especulações. #Curiosidades