Erwiana Sulistyaningsih, 24 anos, tinha vinte e dois anos quando saiu da Indonésia para trabalhar em Hong Kong, na China. Seus pais pagavam pelos seus estudos, mas em determinada fase da vida, eles não conseguiam mais emprego. Foi ai que Erwiana decidiu viajar para conseguir dinheiro para estudar e para ajudar seus pais. Erwiana foi contratada por Law Wan-Tung, uma mulher de 44 anos, que lhe prometeu pagamento mensal equivalente a R$ 1.400.

A princípio começou trabalhando como qualquer outra doméstica, até que Law decidiu se mostrar cruel e autoritária. Para evitar que Erwiana saísse de casa por suas atitudes, Law escondeu seu passaporte e a ameaçava, dizendo que tinha contato com policiais e políticos e que a entregaria para as autoridades chinesas se ela não a obedecesse.

Publicidade
Publicidade

Law obrigava Erwiana a trabalhar até 21 horas por dia, sem direito a salário ou dias de descanso. As agressões passaram a ser diárias.

A cama em que Erwiana dormia foi retirada, fazendo com que passasse a dormir no chão, sem qualquer condição de higiene, bem como não recebia comida da patroa. Na casa haviam outras duas pessoas que passavam pelas mesmas torturas praticadas por Law. Como estava muito debilitada, não conseguia mais cumprir com os serviços de casa, e foi ai que as torturas pioraram. Como Erwiana não conseguia mais sair da cama, Law decidiu enviá-la de volta a Indonésia, mas ameaçou que se a denunciasse, Erwiana seria presa.

Quando chegou na Indonésia, foi levada para um hospital. Seus pais a visitaram e a incentivaram a denunciar a cruel senhora Wan-Tung. Após denunciar, Erwiana deu várias entrevistas em programas de TV sobre abusos domésticos e uma campanha de combate a esse tipo de violência foi criada, ganhando repercussão em todo o mundo.

Publicidade

Tanto os governos da Indonésia, quanto de Hong Kong apoiaram.

No final de fevereiro desse ano, Law Wan-Tung foi presa pelas torturas e condenada a seis anos de prisão. Erwiana se tornou símbolo de campanhas contra trabalho escravo e foi eleita pela revista Times, como uma das pessoas mais influentes do mundo na atualidade. #Justiça #Crime