Pela terceira vez nos últimos meses, uma criança albina foi vítima das atrocidades de bruxos da Tanzânia. O menino, Baraka Cosmas, foi brutalmente agredido e teve a mão cortada para ser entregue à bruxos curandeiros da região, que fazem "poções mágicas" para trazer boa sorte e saúde. O menino estava em casa no sábado, 7 de março, quando os criminosos invadiram a propriedade, espancaram a sua mãe e o mutilaram. Os dois ficaram gravemente feridos e precisaram ser hospitalizados.

Nos últimos três meses, uma menina de um ano e meio e um garoto de quatro anos também foram vítimas dos bruxos da região por causa da cor de sua pele.

Publicidade
Publicidade

Na Tanzânia, pessoas albinas são constantemente vítimas de #Violência. Muitas crianças albinas foram retiradas da escola para evitar sofrer violência na instituição ou a caminho dela.

A bruxaria é proibida no país por conta dos rituais de sacrifício humano, mas ainda assim, principalmente em vilarejos mais isolados, a prática ocorre normalmente. Os curandeiros costumam ter grupos de criminosos que buscam as pessoas que serão sacrificadas ou partes do corpo da mesma.

Zeid Ra´ad Al Husseion, comissário da ONU para os Direitos Humanos, já havia denunciado a prática e confirmado que as crianças albinas são as maiores vítimas desses tipos de ataques. A ONU também divulgou que nos últimos seis meses, quinze albinos foram vítimas de violência no país para o mesmo fim, sendo sequestrados, assassinados ou feridos.

Publicidade

Esses foram os casos que chegaram ao conhecimento das autoridades locais, mas a própria ONU acredita que o número de vítimas albinas seja muito maior, uma vez que é comum que em zonas mais remotas do país os crimes não cheguem às autoridades policiais, ainda que haja ocorrência de homicídios.

Os assassinos de albinos chegam a vender seus corpos por até R$ 200 mil, o que faz com que todos as pessoas com essas características estejam em perigo. Em 2013, uma criança teve a mão cortada para servir de amuleto e uma mulher adulta, também albina, teve o braço arrancado, possivelmente para o mesmo fim.