Uma explosão ocorreu nesta quarta-feira (4) no leste da Ucrânia, na cidade de Donetsk, matando ao menos 30 pessoas e soterrando mais de 70, segundo informação do presidente do Parlamente ucraniano, Vladimir Groysman, repassada pelas agências internacionais Efe e France Presse (AFP).

O presidente do parlamento pediu um minuto de silêncio no início da sessão desta quarta-feira. O acidente ocorreu na mina de carvão Zasyadko, que já sofreu com muitas outras explosões. Inaugurada em 1958, ainda no período soviético, teve seu maior acidente em 18 de novembro de 2007, matando 101 pessoas em um acidente semelhante.

As autoridades separatistas que controlam a região informaram que apenas uma pessoa teria morrido.

Publicidade
Publicidade

A equipe de resgate local informou que ainda não é possível dizer a causa do acidente e a quantidade de feridos ou mortos, já que é necessário esperar que seja feita a retirada de gases tóxicos da mina.

A porta-voz do Departamento de Emergência da cidade, Yuliana Bedilo, informou que a explosão trata-se de um acidente e que não houve ataque de artilharia. Segundo a ONU, mais de seis mil pessoas já morreram no confronto que acontece na região.

Donetsk

A cidade que é controlada por separatistas pró-Rússia desde abril de 2014 sofre com os constantes ataques do governo ucraniano e dos separatistas. O conflito que, segundo a ONU, já matou mais de seis mil pessoas, entre civis e combatentes, se autodenomina República Popular de Donetsk (RPD).

Em julho do ano passado um avião da Malaysia Airlines caiu na região.

Publicidade

A suspeita era de que a aeronave havia sido abatida. No acidente com o Boeing 777 morreram 298 pessoas, incluindo os 15 tripulantes da aeronave.

Muitos acordos de paz já foram propostos. O mais recente, mediado pela Alemanha e França, não vem obtendo resultados. A Rússia diz que a entrega de armas dos separatistas ao governo ucraniano não indica o fim do conflito. O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, culpa os Estados Unidos e a União Europeia por aumentarem a crise na região.