Na última quarta-feira, 18, Bill Gates abriu um hospital de campo de simulação para Ebola na conferência TED em Vancouver, no Canadá. O evento fez parte de uma chamada para iniciar uma batalha contra a epidemia global da doença. O magnata da Microsoft disse que a nova ameaça ao mundo são micróbios, não mísseis.

"A epidemia de Ebola foi um alerta para que todos nós estejamos prontos", disse Gates. Uma das salas do evento foi transformada em uma estação de Ebola, onde os participantes puderam conhecer as precauções meticulosas que os profissionais de saúde devem tomar para prevenir a infecção. Botas de borracha enormes, túnicas amarelas, luvas de borracha, com os punhos cerrados com força, óculos de proteção e máscaras faziam parte dos equipamentos apresentados.

Publicidade
Publicidade

Por baixo de tudo, mostrou-se um novo equipamento de refrigeração, desenvolvido pela Fundação Gates. O colete estava cheio de blocos de gelo para compensar o calor sufocante que sofre nos trajes.

Luanne Freer, um médico que trabalhou com pacientes de Ebola em Serra Leoa, disse que o suor era tal que ele se sentia sufocado dentro da máscara. Além disso, a visão é limitada e a respiração é difícil. E depois vem a parte mais perigosa: remover com segurança um traje que é coberto de vírus contagioso. "Os trabalhadores de saúde são muitas vezes tão estressados pela agonia dos pacientes, e sufocado pelo calor, que eles tendem a querer tirar rapidamente o equipamento", disse Freer.

Ao falar na estação simulada do Ebola Gates, Bill Gates contou que, quando eu era pequeno, a preocupação de todos era com a guerra e com latas de alimentos para armazenar no porão, disse ele, apontando para dois grandes pacotes de suprimentos.

Publicidade

Gates disse ainda, que, agora, o mundo deveria ter preparar um exército de combatentes dispostos a combater epidemias de rápida expansão, em coordenação com as forças militares.

Ele disse também que nos filmes, há um grupo de epidemiologistas bonitos prontos para salvar o mundo, mas que isso é Hollywood. O magnata da Microsof concluiu que o custo de manutenção de uma força de elite médica é nada, se comparado com os trilhões de dólares que custaria uma epidemia grave em termos de vidas e danos para a economia mundial. #Curiosidades