Além das #Eleições para presidente, o final de semana na Nigéria foi marcado por muitas mortes e conflitos, mas isso não impediu que cerca de 70 milhões de pessoas exercessem suas obrigações de cidadãos e votassem para eleger o candidato opositor Muhammadu Buhari, do partido Congresso de Todos os Progressistas. A apuração que é feita pela Comissão Eleitoral Independente da Nigéria (Inec) começou ontem e até o momento não fez seu pronunciamento oficial. Porém, levando em conta a parcial dos votos, os nigerianos consideram que os 14.951.140 votos a favor de Buhari desbancam os 12.827.522 do atual presidente Goodluck Jonathan, do Partido Democrático Popular, e já celebram a vitória da oposição pelas ruas.

Publicidade
Publicidade

Mesmo faltando a contagem dos votos do estado de Borno, Jonathan reconhece a derrota e já entrou em contato com o adversário por telefone para parabenizá-lo pela vitória. Se a Inec confirmar a vitória de Buhari, esta será a eleição mais acirrada de toda história democrática da Nigéria e marcará a volta do presidenciável ao comando do país - ele dirigiu os nigerianos após o golpe militar. Além dos dois candidatos mais votados, outros 12 participaram do pleito.

Depois de divulgar oficialmente o nome do presidente da Nigéria, a Inec terá outra missão: investigar as denúncias de fraude nas votações realizadas no estado de Rivers, onde o partido que está no governo somou 95% dos votos.

Conflitos com grupo Boko Haram

Não é de hoje que os islamitas do Boko Haram se responsabilizam por ataques aos nigerianos, e no sábado (29) de eleição não foi diferente.

Publicidade

O anúncio feito por um dos líderes terroristas de que o pleito para presidente não iria acontecer fez com que a polícia associasse as execuções feitas no dia da votação ao grupo. Antes mesmo da votação ser liberada bombas explodiram no leste nigeriano. Com a confirmação da morte de dezenas de pessoas, vários postos eleitorais foram fechados para tentar proteger a população da ação dos islamitas.

Mesmo com os problemas de fraude, ataques e mortes, a ONU considerou a votação pacífica e bastante organizada.