É cada vez mais comum encontrar alternativas para superar a ditadura do automóvel que sobrevive há anos na Europa. O paulistano médio, que usa carro todo dia para ir para o trabalho, perde um mês por ano no trânsito. Mas algumas grandes cidades já notaram que mais espaço para automóveis não é a solução. Eles poluem, causam mortes, acidentes e o grande número é responsável pelo trânsito quilométrico, estressante e lento.

Em Londres, por exemplo, perde-se mais de 100 dias da vida apenas procurando vagas em estacionamento. Estudos já comprovam que, na cidade, ir a um local de bicicleta deixa o caminho mais rápido do que se for utilizado um carro.

Publicidade
Publicidade

Confira abaixo seis cidades que estão se livrando dos carros, restringindo suas áreas de circulação, aumentando as áreas exclusivas para pedestres e ciclovias.

Paris, França

Em 2014, o nível de poluição de Paris ficou muito elevado, por isso o uso de carros com placas de números pares foi proibido durante um tempo. Essa medida fez a poluição diminuir até 30%. Depois do resultado, a cidade resolveu começar a desencorajar o uso de carro. Quem não mora no centro, por exemplo, não poderá utilizar carro na região durante o fim de semana. A ideia é que isso se estenda para toda a semana posteriormente. Até 2020, também pretende-se dobrar o número de ciclovias da cidade.

Madri, Espanha

Algumas regiões da cidade não aceitam carros e o objetivo é aumentar esse número. Ao dirigir numa área proibida para automóveis, a multa é de 100 dólares.

Publicidade

A ideia é que os carros sejam proibidos do centro da cidade nos próximos 5 anos. Todas as ruas receberão um novo design para pedestres. E os automóveis mais poluentes pagarão mais caro para estacionar na rua. 

Hamburgo, Alemanha

A ideia não é abolir os carros, mas deixar a vida mais fácil para quem não dirige. Daqui a 15 ou 20 anos, será construída uma "rede verde" que conectará 40% da cidade e será feita em ciclovia e calçadas para pedestres. 

Milão, Itália

Milão é mais uma cidade que tenta diminuir o tráfego de carros no centro. Ao deixar o carro em casa, os italianos ganham um "vale" com o valor de trem ou ônibus. 

Helsinki, Finlândia

O plano da cidade é abolir de vez o uso de carros, oferecendo novas formas de interação e locomoção aos seus moradores. Para isso, há um aplicativo em teste que permitirá que eles verifiquem onde está o táxi, bicicleta ou carro compartilhado mais próximo, além dos trens ou ônibus.  #Viagem

Copenhague, Dinamarca

A cidade já sofreu com tráfego caótico. Para amenizar o cenário, ciclovias foram implantadas. De início, houve muita resistência por parte dos moradores. Algo parecido com São Paulo? A partir dos anos 1960, Copenhague começou a diminuir os espaços para carros e hoje a cidade tem mais de 200 quilômetros de ciclovia - a meta da Prefeitura de São Paulo é criar 400 quilômetros. Hoje, Copenhague tem um dos menores índices de uso de automóveis da Europa.