Neste domingo (8), um dos acidentes mais intrigantes da aviação mundial completa um ano. O desaparecimento do vôo MH370 da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, continua sendo mistério para autoridades de todo o mundo. A aeronave desapareceu sem deixar pistas enquanto fazia a rota entre Kuala Lupus, na Malásia, e Pequim, na China.

O que mais desafia as famílias e o governo é que absolutamente nenhum vestígio do avião foi encontrado desde o acidente, incluindo coletes salva-vidas, assentos, fuzelagem ou corpos. Desta forma torna-se quase inviável saber de fato o que aconteceu com a aeronave, se há sobreviventes, se o avião pousou, se foi derrubado ou se sofreu alguma pane.

Publicidade
Publicidade

Família

Com a falta de evidências muitos familiares tem dificuldades de seguir em frente e mantém a esperança de que ainda possam haver sobreviventes. Em entrevista ao site CBS News, Sarah Bajc, parceira do passageiro norte-americano Philip Wood, falou sobre a dificuldade que enfrenta:"Quero dizer, já faz quase um ano e eu ainda estou vivendo a minha vida presumindo que ele vai voltar, o seu lugar ainda está aqui."

Em janeiro deste ano a Malásia declarou oficialmente que o desaparecimento do avião foi um acidente e que as 239 pessoas que estavam a bordo devem ser consideradas mortas. Desta forma as famílias podem dar início aos processos de indenização.

O acidente

No dia 8 de março do ano 2014 o vôo MH370 desapareceu enquanto fazia a rota entre Kuala Lupus, na Malásia, e Pequim, na China, percurso conhecido pelos pilotos da empresa de aviação Malaysia Airlines.

Publicidade

Após uma hora de voo, a torre de comando perdeu o contato com a aeronave e desde então as respostas para o ocorrido giram em torno de especulações e dados resgatados de satélites, radares e buscas na área que compreende a rota.

Investigadores suspeitam que alguém teria desligado os sistema de localização e comunicação. Informações de autoridades malaias sugerem que o avião teria desviado da rota sem dar explicações, dados do satélite mostram que a aeronave seguiu para uma área remota do sudeste do Oceano Índico. Segundo informações do site G1, radares militares detectaram que o avião fez uma curva para oeste e voltou a cruzar a península da Malásia, aparentemente sob controle de um piloto capacitado.

Vários países se mobilizaram nas buscas e concentraram esforços para a resolução do mistério, mas até hoje nada de concreto que pudesse dar pistas sobre o que aconteceu foi encontrado.