O ato cruel contra esse animal ocorreu em um templo budista da Tailândia. A ursa Kwan de três anos ficou irreconhecível após dois anos trancada dentro de uma gaiola em um quarto escuro.

Kwan foi descoberta por voluntários da Fundação Amigos da Vida Selvagem (WFFT em inglês), que chegaram de surpresa no templo budista na última semana, a fim de fazer um check-up de rotina nos #Animais do local.

Os voluntários do WFFT ficaram perplexos quando encontram o animal, que além de deformado, havia perdido pelos em boa parte do corpo, bem como seu rosto estava completamente coberto com feridas. A ursa Kwan estava tão debilitada e ferida que mal conseguia levantar a cabeça para ver os voluntários, mesmo depois de ser levada para um veterinário.

Publicidade
Publicidade

A tarefa dos voluntários não foi fácil. Eles precisaram implorar, insistentemente, para os responsáveis pelo templo libertarem Kwan. Com muito custo conseguiram levar a sofrida ursa e lutaram alguns dias para mantê-la viva, porém Kwan estava tão fraca que não conseguia comer, além de ter parado de respirar várias vezes. Um simples movimento parecia um grande sacrifício para a ursa.

A pequena e frágil Kwan não resistiu e veio a óbito, o que deixou os protetores e voluntários do WFFT completamente devastados pela pequena guerreira não ter mais conseguido ter forças para lutar pela própria vida. A fundação também afirmou que fizeram tudo o que podiam para salvá-la.

O caso de maus tratos de Kwan abriu discussões sobre um problema crescente na Tailândia: o comércio ilegal de animais.

Publicidade

Dezenas de grupos capturam inúmeras espécies de animais selvagens e os levam para templos budistas, onde muita gente pensa ser um local sagrado e livre de maus tratos, mas a realidade dos bichos levados para tais lugares na Tailândia, é bem diferente.

Existem monges que estão bem intencionados em cuidar dos animais, mas a maioria deles não possui qualquer preparo para ter um animal selvagem no templo, os "guardando" em gaiolas minúsculas, que desencadeiam uma série de problemas mortais para animais que nasceram para viverem livres na natureza.

Embora a WFFT e outras fundações procurem fazer o possível para combater esse tipo de prática, os mesmos não possuem apoio governamental, pois na Tailândia, monges são como pessoas milionárias ou políticos influentes que estão acima da lei. Após a fundação divulgar o caso de Kwan e divulgar suas tristes imagens, o governo tailandês disse que fará o possível para retirar todos os animais selvagens que vivem em condições precárias de dentro dos templos.