Kim Dotcom, um alemão mais conhecido como o "Rei dos Downloads", por criar o site de compartilhamento de arquivos Megaupload, está passando por poucas e boas. Em 2012, ele foi acusado pelo governo americano de lavagem de dinheiro, violação de direitos autorais, fraude virtual e estelionato. Nesta época, ele teve todos os seus bens bloqueados pela justiça e se abrigou numa mansão em Auckland, na Nova Zelândia, para escapar da justiça americana e não ter um fim ainda mais severo, que seria ficar preso por até 55 anos. Apesar de colecionar várias estadias nas prisões, ele sempre escapa pela falta de objetividade das leis que regem a nossa querida e amada #Internet.

Publicidade
Publicidade

Mas no ano passado, a situação dele começou a se complicar bastante, chegando a não ter mais dinheiro para pagar seus advogados. Nesse tempo, ele gastou uma bagatela de 10 milhões de dólares somente com encargos da justiça e com sua assessoria jurídica, além de sofrer um processo de divórcio de 17 milhões. A antes vida abastada e feliz de Kim vem chegando a um provável fim nada luxuoso. Ele vive agora com uma ajuda de abono da justiça neozelandesa de 14 mil dólares por mês para arcar com os gastos básicos de vida e sustentar os seus 5 filhos.

Na iminência de ser extraditado aos Estados Unidos, onde pode ter que pagar mais de 500 milhões de dólares à indústria audiovisual e ficar preso por 55 anos, ele não vê muita saída do seu destino tenebroso e quase certo.

Publicidade

Em junho deste ano, ele pode ser obrigado pela justiça a viajar para os EUA, mais precisamente para o estado da Virgínia, para responder ao julgamento que provavelmente vai acabar com a sua vida social.

Dotcom, em seus tempos áureos, faturava alto com seu site. Os usuários pagavam 260 dólares por uma assinatura vitalícia para ter acesso aos arquivos do site e baixar quantos arquivos quisessem, quando quisessem. O site chegou a ter mais de 50 milhões de visitas por dia, o que corresponde à 4% do tráfego total de toda a internet. E pasmem, o faturamento do site era astronômico, girava em torno de 170 milhões de dólares por ano.

Fonte: Folha/UOL