Chegou ao fim, nesta segunda-feira (13), a luta do escritor, jornalista e ensaísta uruguaio Eduardo Galeano contra o câncer. Galeano seguia internado em um hospital de Montevidéu desde sexta-feira (10) devido a complicações decorrentes de um câncer de pulmão, que já havia sido tratado em 2007, mas que voltou com força no início desse ano. Eduardo Galeano morre aos 74 anos e deixa um vasto legado cultural, em obras históricas como "As veias abertas da América Latina" e "Futebol ao Sol e à Sombra".

Galeano destacava-se pelo estilo próprio de linguagem e narrativa, que transitava em diversos gêneros e eixos temáticos. Como ficcionista e historiador, chegou a publicar mais de 30 obras - a imensa maioria publicada aqui no Brasil, país onde o uruguaio reunia muitos admiradores.

Publicidade
Publicidade

Nascido em 3 de setembro de 1940, na capital uruguaia, Montevidéu, começou ainda jovem no jornalismo e na #Literatura, mostrando desde cedo rara habilidade com as palavras. Como jornalista de redação, foi chefe de redação do "Marcha", em meados da década de 60, e diretor do periódico "Época", ambos da capital.

Preso pelo golpe militar no Uruguai, em 1970, exilou-se na Argentina e, no país vizinho, seguiu produzindo e lançou o livro "Crisis". Em 1976, após novo golpe, o nome de Galeano foi parar uma espécie de esquadrão de morte, que matava opositores ao regime. Só retornaria ao seu querido Uruguai em 1985, ano que marca a redemocratização do país.

Em solo espanhol, onde refugiou-se pós segundo golpe, escreveu o clássico "Memória de Fogo", repassando em três momentos diferentes toda a história das Américas, em uma trilogia que ganhou prêmios no Uruguai e nos Estados Unidos.

Publicidade

Em 1999, foi premiado com a honraria à Liberdade Cultural, da Lannan Foundation. É autor de obras como "Dias e Noites de Amor e Guerra", "O livro dos Abraços", "Mulheres", "As palavras andantes", "Os Filhos dos Dias", "Vagamundo" e os já citados "Futebol ao Sol e à Sombra" e "As veias abertas da América Latina". A literatura vive uma segunda-feira de luto ao perder um dos seus soldados mais fieis.