Um posto de verificação do exército tunisiano, localizado próximo à cidade de Sbitla, foi atacado nesta terça-feira (07) por um grupo de radicais islâmicos. A região fica perto das cadeias de montanhas que marcam a fronteira com a Argélia, país da África do Norte. No atentado, três soldados foram mortos e mais três ficaram feridos.

Recentemente, as forças tunisianas mataram nove militantes do grupo Okba Ibn Nafaa, indicados pela polícia local como responsável pelo atentado de 18 de março, realizado no Museu Bardo de Tunis, que vitimou 21 turistas estrangeiros de diversas nacionalidades. Japoneses, poloneses, franceses, espanhóis e colombianos foram mortos a tiros de metralhadora por três radicais islâmicos.

Publicidade
Publicidade

Dois militantes foram mortos pela polícia no dia do #Ataque. Após o ocorrido, o exército local tem procurado reforçar a segurança da região.

O atentado afeta uma das atividades mais importantes do país: o turismo. Informações locais dão conta de que muitos turistas teriam cancelado suas viagens à Tunísia após o dia 18 de março, com medo de novos casos similares.

O Estado Islâmico divulgou um vídeo em que assumia a autoria do ataque. No entanto, o governo da Tunísia, país do continente africano, sustenta a tese de que o Okba Ibn Nafaa estaria diretamente envolvido com o atentado. O grupo encontra-se localizado, principalmente, nas montanhas Chaambi, região próxima à fronteira argelina.

Em 2011, a população da Tunísia foi às ruas contra o governo do ditador Zine El Abidine Ben Ali, que se encontrava a 23 anos no posto de presidente do país.

Publicidade

Em 4 de janeiro de 2011, Ben Ali renunciou ao cargo e o povo saiu vitorioso, em um movimento que ficou conhecido como a Revolução de Jasmim. O sucesso dos cidadãos tunisianos inspirou revoltas em diversos países da Ásia, que ficaram conhecidas como Primavera Árabe.

Desde então, o país viu o fortalecimento de grupos islâmicos ultraconservadores. Alguns deles, como é o caso do Okba Ibn Nafaa e do Ansar al-Sharia, têm passado a se utilizar de métodos violentos, a exemplo de organizações terroristas que agem em outros países. #Terrorismo