Os jihadistas são conhecidos por distorcer o islã, determinando que a mulher não tem nenhum lugar na sociedade. Segundo eles, se morrerem pelas mãos de uma mulher, vão para o inferno. Se matarem em nome de Alá, vão para o paraíso, de onde serão recebidos por sete belas virgens.

A cidade síria de Kobani conta com dois mil combatentes do #Estado Islâmico, sendo que de 50 a 60% dos postos são ocupados por mulheres. Esse fato, de alguma forma, assusta os milicianos do Estado Islâmico que não querem correr o risco de serem mortos por uma mulher. Por conta disso, tomam maior cautela com as mesmas.

Os radicais do Estado Islâmico ameaçaram, mais de uma vez, que capturariam as combatentes das forças curdas Peshmerga e as casariam com jihadistas a força.

Publicidade
Publicidade

As combatentes responderam a altura, prometendo matar o máximo de terroristas que encontrarem pelo caminho.

A coronel Rashid, do 2º Batalhão feminino, informa que muitos combatentes foram obrigados a tirar a própria vida quando capturados pelo estado Islâmico. Ela também orienta as recrutas a sempre terem uma bala extra para se defender no caso de uma eventual captura.

As forças femininas curdas ganharam destaque após a divulgação viral da imagem de Rehana. Uma combatente do grupo que, supostamente, havia matado mais de cem milicianos do Estado Islâmico. Algumas redes de notícias informaram que Rehana foi capturada e decapitada pelo Estado Islâmico, que por sua vez divulgou uma foto de sua cabeça. Muitos jornalistas acreditam que a imagem se trata de uma montagem, mas pelo sim ou pelo não, ninguém tem notícias de Rehana e o grupo de combatentes curdas já juraram vingá-la.

Publicidade

As mulheres lutam todos os dias contra os terroristas que há mais de dois anos tem tentado dominar a Síria. Elas são um contraste do que os países muçulmanos esperam das mulheres: que sejam donas de casas, esposas e mães, sem nenhuma outra utilidade. Elas lutam de igual para igual contra homens que entram em combate dispostos a morrer, desde que consigam atingir seus objetivos sangrentos. #Terrorismo