O anúncio foi feito pela direção-geral da Aviação Civil (DGAC), que solicitou na terça-feira (7) que as companhias aéreas cancelassem 50% dos voos que já estavam previstos. Com a medida, evitou-se a formação de filas nos principais aeroportos franceses nesta quarta-feira (8), primeiro dia de paralisação.

A medida de #Greve foi uma solicitação dos sindicatos de controladores de tráfego aéreo do país, que requerem a abertura imediata de negociação como forma de rever a organização trabalhista imposta a estes profissionais. Uma das reivindicações é a idade mínima exigida para a aposentadoria dos controladores, que atualmente é de 55 anos e que o governo quer alterar para 59 anos.

Publicidade
Publicidade

O SNCTA, um dos principais sindicatos que representa metade dos 4.000 profissionais da classe de controladores de voos da França, revelou que a paralisação poderá se estender além dos dois dias programados.

Embora os avisos de greve tenham sido anunciados com antecedência, os aeroportos de Only e Charles de Gaulle, na França, ficaram lotados em razão dos atrasos e cancelamentos dos voos. Informações divulgadas por fontes aeroportuárias, avisaram que no decorrer do dia a situação pode piorar com o acúmulo de passageiros nos aeroportos.

Segundo informado pela DGAC, a medida será repetida no segundo dia de grave, nesta quinta-feira (9), alertando os passageiros quanto aos voos que serão cancelados e evitando transtornos dentro dos aeroportos.

Segundo relatado por Alain Vidiales, secretário de Estado de Transportes, a medida de paralisação dos controladores de voo foi uma ação precipitada, uma vez que as negociações requeridas já tinham sido iniciadas.

Publicidade

A empresa Air France-KLM, que realiza voos, declarou aos passageiros que os trajetos de curto e médio prazo haviam sido cancelados e que os voos de longas distâncias seriam priorizados ao máximo. A empresa manteve na sua programação de viagens 60% dos voos funcionando.

O sindicato informou que outras etapas da paralisação já estão previstas, sendo a próxima de 16 a 18 de abril e uma terceira greve de 29 de abril a 2 de maio. #Manifestação