Os conflitos no Iêmen, país do sudoeste da Península Arábica, parecem infindáveis. A agência Reuters afirmou a pouco que as proximidades do porto de Áden, no sul do país, foram alvos de bombardeios e tiroteios neste domingo (5). Houthis, grupo armado de oposição ao governo e aliados teriam entrado em confronto com milícias locais, que trabalham na proteção da cidade.

O local é o último em que os combatentes a serviço do presidente do país, Abdu-Rabbu Mansour Hadi, apoiado pela Arábia Saudita, conseguem apoio. Por conta disso, os militantes houthis têm tentado, constantemente, tomar a cidade.

A Arábia Saudita, como líder de uma coalizão que combate os radicais xiitas Houthis, tem realizado ataques aéreos na região, pelos últimos onze dias.

Publicidade
Publicidade

Os bombardeios têm como alvos os comboios, armamentos e armazéns do grupo, além de procurar impedir o auxílio de outros países aos militantes. Os sauditas acreditam que o Irã tem enviado armamento aos houthis, apesar de sua insistente negação.

Os ataques sauditas, no entanto, não têm mostrado resultados convincentes, já que os militantes continuam avançando e a autoridade do presidente Hadi continua em queda. O número de mortos nos conflitos da região tem alarmado entidades como a Cruz Vermelha, que mencionou na última terça-feira (31) as dificuldades de enviar ajuda humanitária para as áreas de conflito, fazendo apelos pedindo maior cooperação da Arábia Saudita.

Fontes indicam que cerca de 36 houthis e seus aliados foram mortos nos combates deste domingo, assim como cerca de 11 dos combatentes a favor de Abdu-Rabbu Mansour Hadi.

Publicidade

O conflito teria começado devido a um avanço das forças houthis em direção ao porto de Áden, que logo teriam sido afastadas e levadas a uma região próxima a uma base do Exército.

Um médico teria informado à Reuters que é possível ver muitos corpos espalhados pelo chão da cidade, mas a aproximação não é plausível por conta de atiradores houthis que estariam posicionados nos topos dos prédios. Eles estariam atirando indiscriminadamente em qualquer um que se dirigisse para a região do conflito. #Ataque #Violência