A foto da pequena menina de quatro anos tomou conta da internet nos últimos dias, depois que a jornalista Nadia Abushaban publicou em seu twitter a foto que viralizou na internet. A menina assustada, levanta os braços ao ar no momento em que foi clicada confundindo a teleobjetiva da câmera com uma arma.

Quem tirou a foto foi o fotojornalista turco Osman Sağırlı, que atualmente trabalha na Tanzânia. A BBC noticiou a história da fotografia após o compartilhamento de mais de quinze mil usuários pela internet em diversas redes sociais. A TV inglesa descobriu toda a história por detrás da imagem compartilhada, inclusive, encontrando o fotojornalista e contando a história da menina, que chegou a ser confundida com um menino por sites de notícias.

Publicidade
Publicidade

Adi Hudea (4) foi fotografa em dezembro de 2014 no campo de refugiados Atmeh, que fica a 150 km da cidade de Hama, cidade natal da menina síria. A criança de quatro anos estava com sua mãe e seus dois irmãos depois de perderem seu pai em um bombardeio na Síria. Assustada com a câmera, ela levantou o braço em sinal de rendição, como uma atitude considerada normal, sem expressar o medo e o terror da guerra em suas expressões faciais. Embora apenas seja uma criança, o seu olhar carrega a experiência de uma criança que vive em meio a guerras e conflitos.

A foto foi publicada no jornal turco que o fotojornalista trabalha, Türkiye, no ano passado. Ela foi divulgada entre as redes sociais da Turquia, mas somente agora foi viralizada no mundo todo. Osman afirma em entrevista à BBC, que os reflexos dos conflitos armados podem ser observados nas crianças nos campos de refugiados.

Publicidade

E que a menina o surpreendeu ao não correr da câmera enquanto o fotojornalista a enquadrava, algo que uma criança normal faria.

Os conflitos na Síria se iniciaram há quatro anos e mais de 500 milhões de crianças já foram afetas de alguma forma pelo conflito. Milhares de civis abandonaram a Síria desde 2011, fugindo da guerra, que já matou mais de 70 mil pessoas no ano passado. #Violência