O grupo terrorista #Estado Islâmico incendiou, no último domingo (05), uma igreja na aldeia de Tel Nasri. O local é habitado por uma maioria assíria, que possui como credo o cristianismo. A aldeia faz parte da província de Al Hasaka, no nordeste da Síria. A informação do #Ataque foi divulgada pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.

De acordo com testemunhas, se ouviu uma explosão vinda da igreja de "Nossa Senhora" e, logo após, foi possível enxergar uma grande cortina de fumaça que vinha daquela direção. Várias partes do templo ficaram destruídas.

O local está cercado de bombas, implantadas pelo Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

O intuito é retardar o avanço de forças contrárias ao grupo terrorista, como as Unidades de Proteção do Povo Curdo e a milícia do Conselho Militar Siríaco. Ambas têm travado intensos combates com o EI, ao longo das últimas semanas na região.

O Estado Islâmico é responsável por dizimar os assírios residentes em território Sírio. No início de 2011, antes de serem covardemente atacados pelo grupo terrorista, cerca de 200 mil assírios residiam na região. Hoje, estima-se que restem apenas entre 15 a 20 mil no país, visto o grande contingente de refugiados, mortos e sequestrados nos conflitos.

O Estado Islâmico

O grupo terrorista surgiu a partir do Estado Islâmico do Iraque (EII), pertencente à Al-Qaeda e liderado por Abu Bakr al-Bagdadi. O surgimento do grupo aconteceu após o anúncio de Abu Bakr, de que o EII teria se unido com a frente Al-Nosra, grupo jihadista que agia em território Sírio.

Publicidade

No entanto, o grupo sírio se negou a integrar o Estado Islâmico do Iraque e Levante (nome dado à nova milícia, formada a partir dessa fusão) e os grupos passaram a agir separadamente, culminando em um conflito entre eles, iniciado em janeiro de 2014.

O Estado Islâmico ficou conhecido no mundo todo por uma série de decapitações, iniciadas no ano passado, de estrangeiros sequestrados pela organização. Além disso, o grupo terrorista é conhecido por recrutar jovens de países europeus e do mundo todo, atraídos por suas ideias ou pela possibilidade de estar em uma frente de combate.