O Ministério de Segurança da África do Sul informou na última segunda-feira (06) que uma menina de 15 anos foi presa enquanto viajava na tentativa de se juntar ao grupo terrorista Estado Islâmico. O caso é o primeiro de jovens presos por esse motivo no país. Como precaução, autoridades locais têm se preocupado em investigar se o grupo terrorista possui membros ocupados com o recrutamento de jovens sul-africanos.

Em alguns lugares da Europa, militantes do #Estado Islâmico trabalham por meio das redes sociais para atrair adolescentes e jovens, que, muitas vezes, acabam sendo convencidos a se unir ao grupo. Muitos deles deixam seus países em direção às regiões de atuação dos militantes, como a Síria.

Publicidade
Publicidade

Outros são treinados por membros do grupo para agirem, também, no recrutamento de outros jovens.

A adolescente foi presa no último domingo, 5, no aeroporto da Cidade do Cabo, capital legislativa do país, após a descoberta de indícios de que mantinha contato com militantes da facção radical. O ministério afirma que os dados do envolvimento com o grupo foram encontrados no quarto da menina.

O Ministro da Segurança, David Mahlobo, disse que é possível afirmar com certeza que a jovem planejava se unir ao Estado Islâmico. Além disso, ela estaria engajada ativamente com redes de mídias sociais dirigias por militantes. Ele ainda afirmou que há uma investigação sendo realizada com o intuito de averiguar o alcance da rede no país. Para ele, as autoridades da África do Sul não podem permitir que o grupo atue no recrutamento de jovens sul-africanos.

Publicidade

Os militantes da organização radical têm alcançado bastante sucesso em suas ações de recrutamento de jovens ao redor do mundo. Nos últimos meses, milhares de pessoas dirigiram-se às áreas de atuação do Estado Islâmico e de outros grupos igualmente radicais, para se unir a eles. Elas são procedentes de mais de 80 países distintos, entre eles: Inglaterra, Estados Unidos e China. Há relatos, inclusive, de brasileiros residentes em países da Europa que teriam se juntado às organizações terroristas. #Terrorismo