Uma mulher se passou por parente de uma das vítimas do acidente com o avião da Germanwings para viajar até a França de graça. Uma aeronave da Lufthansa levou os familiares das vítimas até a França e a mulher em questão teria embarcado com mais três pessoas. Já em solo francês ela visitou o local do acidente e até recebeu ajuda psicológica.

O jornal alemão Halterner Zeitung, que fica na localidade onde 16 estudantes e duas professoras que morreram no acidente moravam, deu a notícia da mulher e confirmou que a Lufthansa apresentou uma queixa contra a farsante.

O acidente

O voo 9525 da Germanwings partiu da Espanha com destino a Alemanha no último dia 24 de março quando o copiloto, Andreas Lubitz, na ausência do piloto na cabine provocou a queda da aeronave.

Publicidade
Publicidade

O avião foi lançado contra os Alpes Franceses e todos os 150 ocupantes morreram.

As investigações começaram logo quando os destroços foram avistados e em pouco tempo concluiu-se que o copiloto da aeronave derrubou o avião de propósito. Agora todas as associações de medicina aeronáutica sem apressam para que os pilotos sejam examinados com frequência e que exames possam apontar para o uso de substâncias ilícitas e que podem colocar em risco tripulação e passageiros.

Outros casos

O avião da Germanwings não foi o primeiro a ser derrubado deliberadamente por um piloto ou copiloto. Casos na África e em outros continentes mostram que isso é mais comum do que se imagina. Autoridades afirmam que é muito difícil prevenir já que o piloto ou copiloto possuem total autonomia nos voos. Algumas sugestões foram apresentadas e uma delas é a de colocar mais tripulação nas cabines durante as rotas.

Publicidade

As companhias aéreas analisam já que isso implicaria em mais custos e o momento não seria o ideal para isso.

Cabines blindadas

Desde os atentados nos EUA em 2001, todos as aeronaves comerciais ganharam cabines blindadas para protegerem os pilotos e copilotos do contato com passageiros. Como os terroristas no 11 de setembro também eram pilotos, as cabines ficam trancadas durante os trajetos e, mesmo na ausência de um dos responsáveis pelo comando da aeronave, a porta deve ficar trancada.

O piloto da Germanwings tentou arrombar a porta da cabine sem sucesso. A investigação aponta para que até um machado tenha sido utilizado pelo piloto na tentativa de salvar o avião da queda. Em vão. A aeronave caiu e vitimou todos os ocupantes. O negócio é ficar na torcida para que essa prática absurda e criminosa não vire moda.