Além de servir para comer, fazer sucos e decorar pratos, descobriram uma nova utilidade para as frutas na Venezuela: enviar mensagens. Sim, isso mesmo que você está lendo.

Na última quarta-feira (22), o presidente venezuelano Nicolás Maduro, que já foi motorista de ônibus, dirigia um enquanto estava a caminho de uma reunião com apoiadores de sua campanha no estado de Anzoategui. Visando cumprimentar melhor as pessoas locais que o recebiam, abriu a janela, quando algo inusitado aconteceu.

Marleni Olivo, 54 anos, querendo atrair a atenção de Maduro, chegou o mais próximo do ônibus que pôde e arremessou uma fruta escrita com a mensagem "se puder, me ligue", junto com seu nome e seu número.

Publicidade
Publicidade

A fruta acertou a orelha esquerda do presidente, que após o impacto, abaixou a cabeça e mostrou o que lhe acertara ao público.

"Eu não tinha papel disponível naquele momento. O que eu tinha era uma manga que eu estava prestes a comer porque eu estava com fome. Meu sonho é ter uma casa antes de eu morrer", disse Marleni Olivo ao El Pitazo TV. Alguns a chamam agora de "mango-atiradora".

Críticos do presidente comicamente chamaram o episódio de "Manguicídio", uma mistura de "mango" com "magnicídio", que significa o assassinato de uma pessoa notória. Ao anoitecer, Maduro falou sobre o incidente em uma de suas transmissões de TV, mostrando o "famoso" mango.

"Marleni Olivo, nós estamos para convidá-la para vir a meu show, 'En Contacto Con Maduro."Ela tem um problema da habitação, certo? E, Marleni, já o aprovei, como parte da Grande Missão de Habitação da Venezuela, você vai ter um apartamento e ele lhe será dado nas próximas horas.

Publicidade

Amanhã, o mais tardar depois de amanhã, daremos a você." disse Maduro. Além disso, o presidente brincou falando que a fruta tem muito em comum com ele, por causa de seu sobrenome.

Diante do momento crítico que vive o país, Maduro deveria se preocupar em melhorar a vida não só de Olivo, mas também do restante da população. Uma vez que a mesma clama por desenvolvimento e mudanças. #Governo #Mídia