Famoso por seus belíssimos e exóticos templos, o místico, turístico e pobre Nepal está localizado no centro da Ásia. Com apenas 147 mil quilômetros quadrados (aproximadamente a metade do Estado do Rio Grande do Sul) e uma das maiores densidades demográficas da região, faz fronteira com a Índia e o Tibete (República Popular da China). Seus 30 milhões de habitantes vivem principalmente da agricultura, trabalhando em plantações de arroz. São 12 etnias, que convivem em harmonia, formando um povo devotado e religioso.

Visitado por turistas do mundo inteiro, possui também uma das duas rotas mais usadas por alpinistas que desafiam a maior montanha do planeta, o Monte Everest.

Publicidade
Publicidade

O terremoto

Há um mês, cientistas anunciaram a possibilidade de abalo sísmico, devido a estudos que revelaram um padrão histórico na região. A confirmação veio no sábado (25), quando o país foi devastado por um terremoto de magnitude 7.8. As imagens mostradas na televisão e na internet revelam a destruição quase total de prédios e templos. Até o momento, mais de 4 mil mortos no Nepal, além de 67 na Índia, 7.500 feridos e, segundo informações da UNICEF (Fundo para Crianças das Nações Unidas), cerca de 1 milhão de crianças perderam suas famílias e precisam de atendimento urgente. No Everest, em pleno início da temporada de alpinismo, até agora há o registro de 18 mortos. A maior parte dos prédios ainda não começaram a ser vasculhados, assim como as regiões montanhosas, que estão sem comunicação, o que indica que os números da tragédia podem aumentar muito.

Publicidade

Calcula-se que no momento do terremoto havia cerca de 300 mil turistas no país. A geografia dificulta as buscas. A maioria dos locais só podem ser acessados de helicóptero e o país não possui estrutura para isto.

Grupos de ajuda humanitária de dezenas de países estão mobilizados, na tentativa de ajudar nas buscas e no atendimento aos sobreviventes. A Comissão Europeia ofereceu 3 milhões de euros e o Reino Unido enviou equipe especializada em resgates.

Brasileiros no Nepal

Até agora não se tem notícias de brasileiros vítimas da tragédia, porém nem todos foram localizados. O Itamaraty disponibilizou um telefone de plantão para busca de informações: (61) 8197 2284. Também no Facebook é possível obter notícias através de uma página criada por brasileiros, que se chama Ajuda Nepal. Até ontem, três dos brasileiros que estariam no país não haviam sido contatados.

Como será o futuro

Uma população de agricultores humildes, um país que produz quase somente arroz e que tem o #Turismo como uma de suas principais receitas, está vivendo um profundo estado de calamidade.

Publicidade

A geografia montanhosa, a precariedade das comunicações e das condições de sobrevivência, somadas ao grande número de mortos, desaparecidos, feridos e órfãos, transforma o futuro em um longo caminho para a recuperação. Os adorados templos não mais existem, o que afastará os turistas. Assim como os riscos de avalanche no Everest afastará os alpinistas. Se poderia dizer que a reconstrução do Nepal depende apenas de ajuda externa e de muitos anos de trabalho árduo. #Natureza