O Iêmen, país localizado no sudoeste da Península Arábica, segue em estado de guerra. O país é palco de confrontos entre os rebeldes houthis, que tentam tomar o poder do país, e tropas aliadas do governo de Abd Rabbuh Mansur Hadi, presidente eleito em 2012.

Nesta sexta-feira (24), houve confrontos entre os grupos rivais na região sul e central do Iêmen. Além disso, a Arábia Saudita, apesar de ter declarado que suas ações no país encontravam-se próximas ao fim, utilizou-se de ataques aéreos para combater os houthis localizados em Áden. Somente nesta sexta-feira, os sauditas realizaram 10 ataques a alvos da milícia xiita, enquanto na última quinta-feira (24) já haviam sido ao menos 20 ataques.

Publicidade
Publicidade

A Arábia Saudita lidera uma coalizão militar de vários países árabes, que tem o objetivo de frear o avanço dos rebeldes e impedir a tomada de Áden, cidade portuária e um dos últimos redutos de apoio ao governo central do Iêmen. A coalizão foi formada após o presidente Hadi fugir do país e se exilar em Riade, capital saudita, devido ao avanço dos houthis.

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou que a quantidade de mortos no país já passou de 550 vítimas, desde o início dos bombardeios realizados pelos sauditos que começaram em 26 de março. Entre os mortos estão ao menos 115 crianças, de acordo com informações do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O cenário de guerra no Iêmen tem preocupado países e entidades do mundo todo, que temem uma crise humanitária no local.

Publicidade

Além disso, o avanço de grupos islâmicos radicais no país, como a Al Qaeda e o Estado Islâmico, também é preocupante.

A Al Qaeda tem se aproveitado da instabilidade gerada pelos conflitos para conquistar territórios no país e já se encontra no comando de várias cidades, como a cidade de al-Siddah, na região central do país. Já o Estado Islâmico publicou um vídeo na última quinta-feira (23) indicando que militantes do grupo sunita estriam realizando treinamentos militares no Iêmen, no intuito de atacar os houthis, xiitas.  #Terrorismo #Ataque