Nesta terça-feira (14), o Irã apresentou um plano de paz para o Iêmen, pedindo que a Arábia Saudita encerre sua ofensiva aérea contra os rebeldes houthis, aliados dos iranianos. A resposta dos sauditas, no entanto, deve ser negativa. A proposta vem a calhar com um momento ruim vivido pelos houthis na frente de batalha. Forças leais ao governo central do Iêmen, cujo presidente é Abdu Rabbuh Mansur Hadi, afirmaram ter expulsado os rebeldes de várias partes do sul do país, bem como de regiões da cidade portuária de Áden, que tem sido palco de muitos conflitos entre os opositores nas últimas semanas.

Os houthis foram expulsos do distrito de Khor Maksar, em Áden, local onde encontram-se as missões diplomáticas estrangeiras e o aeroporto.

Publicidade
Publicidade

A retomada da região por parte de tropas aliadas ao presidente Hadi priva os rebeldes de uma importante ponte para áreas centrais da cidade, onde têm encontrado grande resistência dos opositores.

A Arábia Saudita, que tem realizado ataques aéreos com o intuito de expulsar os houthis de Áden, acusa o Irã de armar o grupo rebelde. Entidades internacionais têm alertado para um possível desenrolar de uma guerra étnica entre os sauditas sunitas e os iranianos xiitas.

Mohannad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, apresentou nesta terça-feira (14), em Madri, uma proposta de paz, que envolveria um cessar-fogo, diálogo entre os diferentes grupos iemenitas, ajuda humanitária para a região e um governo com uma base ampla. Zarif afirmou, ainda, que ataques aéreos não são uma resposta e todos os tipos de ofensivas em terra e ar deveriam ser encerradas.

Publicidade

É difícil que os sauditas posicionam-se a favor da proposta, visto que eles alegam estar protegendo o presidente Hadi e seu governo dos houthis. Hadi encontra-se exilado desde março na capital da Arábia Saudita, a cidade de Riad.

Além dos houthis, o governo do Iêmen e seus aliados árabes enfrentam a oposição de tropas leais ao ex-presidente do país, Ali Abdullah Saleh, que ocupou o cargo máximo do país durante mais de 30 anos. #Ataque