Os protestos nos Estados Unidos, em Baltimore, dia 19 de abril, ocorreram por causa da morte de Freddie Gray, um afrodescendente, jovem e assassinado com lesões nas costas enquanto estava na custódia da polícia.

Ainda não se sabe até onde vai a culpa dos policiais no caso. Porém, na região, os movimentos afro-americanos emergiram de forma tamanha que relembrou a época dos Panteras Negras. Tais protestos nos Estados Unidos repercutiram à imprensa mundial.

A população local não tem dúvidas: O garoto foi morto por #Violência policial e racista. Após o anuncio do óbito de Gray ocorreu grande onda de atos e ações para recriminar o racismo da polícia norte-americana.

Publicidade
Publicidade

Ao final das movimentações 34 manifestantes estavam presos.

A força policial indica que grande parte dos participantes fazia ações pacíficas, mas, de repente, surgiu um pequeno grupo violento se dirigindo às forças da segurança pública, o que resultou em uma grande confusão nas ruas de Baltimore.

Movimento afrodescendente nos EUA

O movimento afrodescendente nos Estados Unidos já reivindicava contra a repressão policial antes do caso Gray. Na metade do ano de 2014, Michael Brown, afro-americano com 18 anos de idade, pode ter sido baleado por um policial branco inocentado, em Ferguson.

Outro caso que alimenta os protestos nos EUA contra o racismo é de Eric Garner, um senhor afrodescendente de meia-idade estrangulado por forças policiais. A justiça adia o caso ao considerar que faltam provas para culpar a polícia.

Publicidade

Porém, tanto os membros da família de Garner como movimentos que lutam em defesa dos direitos civis acreditam que a morte ocorreu por racismo.

Protestos nos EUA e violência pessoal

Protestos nos EUA por classes que vivem na camada da sociedade têm certas diferenças com os movimentos brasileiros, mas, um aspecto é semelhante, o tratamento da polícia.

Quando conservadores seguem às ruas em luta dos próprios ideais, a força policial funciona como cão de segurança, capaz até de tirar fotos com seus donos, os manifestantes. Por outro lado, se o povo segue à rua em busca de direitos sociais que prejudicam interesses da burguesia o "pau come de verdade". #Manifestação