O transplante de cabeça prometido pelo doutor neurocientista italiano Sergio Canavero está cada vez mais próximo, e já existe um candidato, o russo Valery Spiridonov, um cientista da computação de 30 anos, que possui amiotrofia espinhal do tipo Werdnig-Hoffman. O estado dele é terminal, sendo sua doença muito grave e irreversível. A cirurgia deve ser a única solução para mantê-lo vivo e tem previsão para ser feita até 2016.

Segundo o médico italiano Sergio Canavero, também conhecido como doutor Frankenstein, afirma que tem a qualificação necessária para cortar a cabeça do paciente e anexá-la a outro corpo saudável, que teve morte cerebral.

Publicidade
Publicidade

Essas informações foram fornecidas pelo jornal Daily Mail.

O russo Valery Spiridonov, candidato a essa cirurgia radical, afirma estar com muito medo desse procedimento, mas esclareceu que não tem muitas opções, pois, se não tentar este transplante, ele terá pouco tempo de vida, por isso, esta cirurgia deve ser feita o mais rápido possível.

O médico Sergio Canavero, em entrevista a CNN, afirmou que possui todos os conhecimentos e técnicas para o procedimento. Ele tem recebido milhares de cartas em seu consultório, solicitando a cirurgia de transplante de cabeça para vários fins. O médico ressaltou que o procedimento, a princípio, será concedido apenas em pacientes que sofram de uma doença degenerativa, que envolva especificamente a parte muscular.

O procedimento cirúrgico tem o tempo estimado de 36 horas e o valor da cirurgia está no patamar de 7,5 milhões de libras, sendo, aproximadamente, 34,7 milhões de reais.

Publicidade



Cirurgia

Segundo Sergio Canavero, o paciente e doador teriam suas cabeças cortadas ao mesmo tempo no nível da medula espinhal. Para isso, usaria um lâmina especial, rigorosamente afiada, para dar um "corte limpo". A cabeça do paciente seria conectada ao corpo do doador e seria fundida as duas extremidades por uma substância química chamada de polietilenoglicol, que faz fundir a cabeça e a medula espinhal. Em estudos já realizados com animais, o polietilenoglicol estimulou o crescimento de células da medula espinhal.

Ainda segundo o médico, o paciente seria colocado em coma induzido por 1 (um) mês. Ele seria imobilizado, ficando numa posição estática. Ao sair do coma, o homem começaria a caminhar em pouco tempo, com a ajuda da fisioterapia, garante o médico Sergio Canavero. #Medicina