A disputa pelas Ilhas Malvinas/Falklands é antiga, mas ainda confronta os interesses de britânicos e argentinos. O arquipélago foi descoberto no século XVI e colonizado por espanhóis durante o século XVIII. Em 1820, tropas do exercito inglês invadiram o local e expulsaram os habitantes, de grande maioria argentina, originando a reivindicação de retomada de posse do país latino-americano.

Em abril de 1982, o ápice da questão argentina gerou a Guerra das Malvinas. O conflito bastante sangrento culminou pouco mais de dois meses depois com a derrota do exercito portenho, e com a manutenção da soberania inglesa no lugar. A Argentina estava sob regime de ditadura militar na época.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a derrota na Guerra não colocou fim as reivindicações dos argentinos, que até hoje "lutam" pela retomada do domínio das ilhas. Por conta da insistência dos sul-americanos, a possibilidade de uma nova contenda entre os dois países nunca foi descartada por ambas as partes, apesar de já terem se passados 33 anos do brutal conflito. "Se o cenário se modificar drasticamente, um possível conflito traria um completo rompimento entre os países envolvidos, uma tensão diplomática entre os países do MERCOSUL (apoiadores da Argentina) e o Reino Unido, além da diminuição da extração de petróleo", teme o professor de #História Felipe Mello.