Uma tragédia não acontece duas vezes com um mesmo povo? Errado! A Grécia rompe com a impossibilidade de recorrência histórica.

Em 480 a.C, 300 Espartanos e seu Rei Leônidas no desfiladeiro das Termópilas, enfrentaram bravamente até a morte, um exército invasor de 2 milhões de persas e estes não foram os únicos a cobiçar esta jóia do Mediterrâneo.

Outros povos como os búlgaros, turcos e mais recentemente na 2ª Guerra Mundial, italianos e alemães, invadiram o país impondo anos de terrível ocupação. A ciência da #História ensina a aprender e evitar os erros do passado e justamente por isso, as pessoas em geral devem buscar ser guardiãs dos direitos humanos e da sobrevivência de um povo ou minoria.

Já que abordamos o conflito, algo que principalmente as gerações mais jovens não devem esquecer são os conflitos nazistas perpetrados por Hitler e seus seguidores. Por exemplo, o grande "tapa" político e moral ao esquecimento e aos inimigos da liberdade e da vida, é falar da pequenina cidade grega de Distomo, situada a 105 km de Atenas, palco de um dos massacres menos conhecidos, mas não menos trágico, provocados pelo exército alemão contra os moradores locais durante a 2.ª Guerra Mundial em 10 de  junho de 1944. Na ocasião, os nazistas atacaram bestialmente a região (ataques contra civis são considerado crimes de guerra), "vingando" três alemães mortos por guerrilheiros locais dias antes.

O que aconteceu de tão grave naquele fatídico sábado? Sobreviventes narraram que bebês foram esfaqueados e mulheres grávidas tiveram o mesmo fim, com ventres dilacerados, seios cortados e o padre da aldeia foi decapitado. Corpos, alguns ainda vivos, foram perfurados e pendurados em muitas árvores ao longo da estrada do vilarejo. O cheiro da morte pairava no ambiente, pois os alemães entraram com lanças-chamas nas moradias, onde as pessoas viraram tochas humanas. Centenas de cadáveres de todas as idades foram espalhados, outros estrangulados com os seus próprios intestinos nos seus pescoços.

Porém, o capítulo mais comovente e emblemático desta tragédia grega foi registrado durante o final da guerra: na expulsão das forças alemãs do país, a unidade alemã foi cercada por guerrilheiros exatamente em Distomo. Seria a grande oportunidade dos gregos praticarem uma vingança sangrenta? Quando na época chegou a ajuda humanitária da Cruz Vermelha nos arredores da aldeia, esta foi recebida por um comitê liderado pelo típico sacerdote ortodoxo grego - um patriarca de longo cabelo ondulado e barba branca. Ao seu lado estava o chefe dos guerrilheiros armado até os dentes. O sacerdote falou primeiro e agradeceu em nome de todo mundo pela comida e em seguida, ele acrescentou: "Estamos todos morrendo de fome aqui, nós e os prisioneiros alemães. Entretanto nós, pelo menos morremos de fome em nossa própria pátria. Os alemães além de perderem a guerra; também estão longe de seu país. Dê-lhes a comida, eles têm um longo caminho pela frente" .

Humanidade é algo que os nazistas não têm, mas o povo grego tinha e ainda tem em abundância!!! #Curiosidades #Europa