Em meio a tantas discussões sobre leis contra o crime e recordes de mortes por violência, foi divulgado, nesta quarta feira, 17, o Índice Global de Paz (IGP) 2015.

O relatório foi elaborado pelo Instituto para a Economia e Paz (IEP), sediado na Austrália. De acordo com o IGP, no ranking dos países mais pacíficos do mundo, a Islândia fica em primeiro lugar e a Síria em último, numa lista de 162 países.

O Brasil caiu 12 posições e ficou em 103o lugar, atrás, praticamente, de todos os nossos vizinhos da América do Sul, exceto Venezuela e Colômbia. Nesta parte da América, o Chile é considerado o país mais pacífico. No geral, o Brasil está atrás até do Haiti (98o).

O Instituto considera para elaborar o ranking, 23 indicadores como segurança pública, taxa de homicídios, #Violência policial, justiça social, terrorismo, participação em conflitos, gastos com armas, grau de militarização, instabilidade política e PIB.

Segundo o relatório, alguns fatores contribuíram para que o Brasil despencasse no ranking, entre eles: a taxa de homicídios (que é a 12a maior do mundo) e os custos com a violência (255 bilhões de dólares/ano, o 5o maior do mundo, ficando atrás somente de Estados Unidos, China, Rússia e Índia). Além disso, ajudou a piorar a posição do Brasil a instabilidade política, os protestos, a estagnação econômica e a inflação crescente.

O custo mundial da violência em 2014 é equivalente as economias do Brasil, Canadá, França, Alemanha, Grã-Bretanha e Espanha juntas e somou um total de 14,3 trilhões de dólares, 13,4 % do PIB global.

Ainda conforme o IEP, o continente europeu alcançou, em 2014, níveis históricos de paz, enquanto o Oriente Médio e o norte da África foram os mais violentos do mundo. Ano passado, as guerras mataram mais de 180 mil pessoas, contra 49 mil, em 2010.

Os dez países mais pacíficos do mundo são: Islândia, Dinamarca, Áustria, Nova Zelândia, Suíça, Finlândia, Canadá, Japão, Austrália, República Tcheca, nesta ordem.

Os países considerados os mais violentos do mundo são: Coréia do Norte, Paquistão, República Democrática do Congo, Sudão, Somália, República Centro-Africana, Sudão do Sul, Afeganistão, Iraque e Síria. #Governo #Comportamento