Uma grande polêmica surgiu recentemente no Canadá, quando um guarda se recusou a matar filhotes de urso e foi suspenso do trabalho.

A história começa quando a mãe dos pequenos ursos Jordan e Athena insistiu em entrar em uma propriedade rural várias vezes, na ilha Vancouver, no sudoeste do país. Ela estava faminta e queria roubar carne de um freezer para se alimentar.

A dona da propriedade com muito medo ligou para a brigada da policia florestal que tentou resgatá-la, mas não conseguindo acabou sacrificando a mamãe ursa.

Segundo relatos da imprensa canadense, os filhotes teriam ido à propriedade para procurar a mãe e sem entender a gravidade da situação, acabaram subindo em uma árvore próxima a casa.

Publicidade
Publicidade

A equipe de bombeiros, da qual fazia parte o agente florestal Bryce Casavant, resgatou os bebês ursinhos com a ajuda de tranqüilizantes.

A imprensa ainda relata que 'Casavant', recebeu ordens para que os filhotes fossem abatidos, mas ele se recusou a cumprir tal orientação. Em vez disso, encaminhou os pequenos à um hospital veterinário e posteriormente a uma ONG de proteção a #Natureza.

Em entrevista ao 'Vancouver Mirror', o funcionário disse: 'Acho importante que a comunidade saiba que estou aqui para fazer a coisa certa'.

O guarda florestal afirma que não havia motivos para sacrificá-los, uma vez que estavam saudáveis e não representavam ameaças à sociedade. O funcionário foi suspenso de suas atividades por causa de sua desobediência e este gesto ainda pode lhe custar o emprego.

Publicidade

O caso causou comoção em milhares de pessoas nas redes sociais e gerou um abaixo-assinado na internet apoiando Casavant. Até o momento foram contabilizadas mais de 151 mil assinaturas.

Em comunicado à rede de TV CBC, o Ministério do Ambiente do Canadá afirmou que trata-se de um caso 'muito triste' e que as pessoas envolvidas estão sendo investigadas, mas não informou quais medidas serão tomadas à respeito dos filhotes.

A ONG que está com a guarda de Jordan e Athena informou que os bebês ursos ficarão com eles até completarem 18 meses, quando então ganharão a liberdade sendo devolvidos à natureza, #Família #Violência