O anônimo dentista Walter Palmer nunca imaginou que seu inocente ‘hobby’ pudesse levá-lo a se tornar um dos homens mais odiados do mundo.

No inicio de julho ele teria pago U$ 50.000 dólares, cerca de R$ de 170.000 reais, apenas para assistir uma cena cruel e desumana que ele classifica de passatempo: caçar um animal selvagem usando arco e flecha para depois arrancar a cabeça e colocá-la em forma de troféu na sua casa.

Depois de chegar ao Zimbábue, ele precisou apenas da ajuda de dois homens para praticar tal atrocidade. Eles jogaram uma isca atraindo o leão para fora dos limites do parque e atiraram no animal com o arco e flecha, deixando que ele agonizasse ao relento por quase 40 horas para depois matá-lo.

Publicidade
Publicidade

Depois de arrancar a cabeça e a pele do leão, Palmer finalmente conseguiu seu tão sonhado troféu para exibir aos amigos. O dentista já tem um histórico de caçador de animais, ele já abateu ursos, rinocerontes, javalis e outros mais, sem que viesse a ser importunado.

Esta seria mais uma caçada anônima, como tantas outras, se o troféu em questão não fosse a cabeça de ‘Cecil’, um dos leões mais populares e antigos do Zimbábue. Ele era monitorado por cientistas da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, usando um colar com GPS, assim eles logo descobriram a façanha do dentista.

Sem saber da repercussão de sua caçada, Walter retornou à sua cidade, no Minesota, mas viu-se obrigado a cancelar todas suas contas profissionais e pessoais nas redes sociais, tamanha era a fúria das pessoas quando o identificaram.

Publicidade

Na porta de sua clínica, pessoas revoltadas encenavam a caçada usando um urso de pelúcia e pistolas de água.

“Não é para se alimentar. Não é pelo prazer de atirar, se fosse ele poderia atirar em latas. Parece ser apenas pelo prazer da matança. Isso é loucura!”. Desabafou o comediante britânico Rick Gervais, defensor dos direitos dos #Animais, em seu perfil no facebook.

O apresentador Jimmy Kimmel fez um discurso repudiando a atitude do caçador em seu programa, dizendo não entender o que leva uma pessoa à matar um leão ou outro animal qualquer. ‘Eu não entendo!’.

Ativistas da Peta (Pessoas pelo tratamento ético dos animais), exigem mais. Nesta quarta-feira (29), eles divulgaram um comunicado solicitando que o caçador fosse executado.

‘Ele deveria ser extraditado, condenado e se possível, enforcado’. Dizia a nota.

Walter Palmer já foi penalizado por caçar ilegalmente em seu país, em nota ele tenta se defender dizendo que contratou guias e caçadores profissionais, mas testemunhas garantem que ele participou de toda matança.

‘Não sabia que a presa era tão adorada e venerada no país, só descobri quando vi o colar’. Lamentou-se, parecendo não entender porque as pessoas ficaram tão revoltadas. #Ataque #Crime